Direita chilena testa nas urnas hegemonia da esquerda

A direita chilena desafia hoje, nas urnas, duas décadas de hegemonia da Concertação, a coalizão de centro-esquerda que governou o Chile desde o fim da ditadura de Augusto Pinochet (1973-90). Não é a primeira vez que os grupos conservadores têm a chance de voltar à presidência após a redemocratização do Chile. "Nas eleições de 2000 e 2006 a direita já se mostrou bastante competitiva. A diferença é que agora todos os institutos de pesquisas indicam sua vitória no primeiro e no segundo turno", disse o respeitado comentarista político Tomás Mosciatti, da CNN Chile.

AE, Agencia Estado

13 de dezembro de 2009 | 09h02

Também serão renovadas as 120 cadeiras da Câmara e metade das do Senado, de 38 membros. Mas, segundo analistas, o resultado da votação legislativa não deve mudar o equilíbrio que os grupos governistas e conservadores mantêm desde 1990 nas duas Casas. A única novidade é a possibilidade de retorno do Partido Comunista, afastado desde o golpe de 1973.

Segundo o Centro de Estudos da Realidade Contemporânea, na corrida pela presidência o empresário Sebastián Piñera, da direitista Aliança para a Mudança, deve obter hoje 44% dos votos, e o ex-presidente Eduardo Frei, da Concertação, 31%. No segundo turno, que será em 17 de janeiro, Piñera teria 49% e Frei, 32%. Mas a Concertação ainda tem alguma chance de virar o jogo atraindo votos de candidatos que deixaram a coalizão oficial para lançar candidaturas próprias no primeiro turno - o socialista Jorge Arrate e o independente Marco Enríquez-Ominami. Arrate já se mostrou disposto a apoiar Frei. Mas Ominami resiste às propostas de reaproximação e dá sinais de que até pode flertar com a direita.

"A questão é que, mesmo que na última hora os três grupos se unam e consigam derrotar Piñera, a Concertação terá de se reformular se quiser sobreviver a essa nova fase da política chilena", diz o historiador chileno Joaquín Fernandois, professor da Pontifícia Universidade Católica do Chile. No caso de uma derrota, analistas não descartam a possibilidade de uma fragmentação da coalizão oficial após a eleição.

Um dos motores da redemocratização chilena, a Concertação vem passando por um processo de desgaste há alguns anos. Se até pouco tempo atrás a simples lembrança das atrocidades cometidas na ditadura Pinochet - foram 3 mil mortos em 17 anos - era suficiente para a esquerda garantir a vitória direita nas urnas, agora uma fatia cada vez maior do eleitorado exige propostas novas e soluções para problemas do dia a dia. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõesChileCâmaraSenado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.