Rodrigo Jimenez / EFE
Rodrigo Jimenez / EFE

Direita espanhola elege Pablo Casado como novo líder

Ele venceu Soraya Saenz de Santamaria por 1.701 a 1.250 votos, em uma votação com parlamentares e outros membros do Partido Popular (PP)

O Estado de S.Paulo

21 Julho 2018 | 20h32

MADRI - Os conservadores espanhóis deram uma guinada à direita neste sábado, 21, ao eleger um tradicionalista como líder. Eles buscam restabelecer uma identidade política clara menos de dois meses após serem removidos do governo.

Pablo Casado obteve uma vitória clara na votação dos membros do Partido Popular (PP) e lançou seu mandato com um pedido por união partidária, uma Espanha mais forte no coração da Europa e leis mais duras para evitar qualquer movimento de independência em suas regiões.

Ele venceu Soraya Saenz de Santamaria - que foi vice do ex-primeiro-ministro Mariano Rajoy durante seus mais de seis anos no cargo - por 1.701 a 1.250 votos, em uma votação com parlamentares e outros membros do Partido Popular (PP).

Clamando por unidade após uma corrida pela liderança que expôs as divisões dentro do partido, Casado disse aos membros em seu discurso de agradecimento que “o PP está de volta”. “Não podemos desperdiçar mais um minuto falando sobre nós mesmos. Precisamos começar a falar sobre a Espanha de novo.”

Parlamentar da cidade de Palencia, no norte da Espanha, Casado é membro do partido desde 2003. Ele é contra o aborto e pediu que o partido retornasse aos “tradicionais” valores conservadores da “vida e da família”.

A deposição de Rajoy por meio de um voto de não confiança levou os socialistas ao governo, e uma das primeiras decisões que Casado deverá tomar é a extensão do apoio parlamentar do PP ao governo de minoria do primeiro-ministro Pedro Sánchez.

Sinalizando que provavelmente haverá tensões pela frente em relação a temas fiscais, Casado criticou planos dos socialistas de aumentar impostos, dizendo que pressionaria por menos taxas sobre empresas e renda para aumentar a competitividade. / Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.