Diretor de missão da ONU admite fraude na eleição afegã

O diretor da missão da Organização das Nações Unidas (ONU) no Afeganistão, diplomata norueguês Kai Eide, admitiu hoje que houve fraude generalizada nas eleições presidenciais de agosto no país centro-asiático. No entanto, ele se recusou a entrar em detalhes para não atrapalhar uma recontagem dos votos suspeitos. Em entrevista coletiva, Eide apareceu acompanhado dos embaixadores dos Estados Unidos, da Grã-Bretanha e da França no Afeganistão. Eles estavam presentes em uma demonstração de apoio a Eide e à missão da ONU.

AE-AP, Agencia Estado

11 de outubro de 2009 | 09h02

A admissão de Eide vem à tona depois de seu antigo vice, Peter Galbraith, ter denunciado que seu ex-chefe vinha tentando acobertar fraudes cometidas em benefício do presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, nas eleições de 20 de agosto. Em entrevista coletiva concedida em Cabul, Eide afirmou a jornalistas que números específicos sobre a quantidade de votos fraudados não passarão de especulação enquanto a recontagem não for concluída.

Tudo o que sabemos sobre:
AfeganistãoeleiçõesONUfraude

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.