Diretor e vice do Banco do Vaticano renunciam aos cargos

O diretor do Banco do Vaticano e seu vice renunciaram nesta segunda-feira em decorrência do escândalo que atinge a instituição, que já resultou na prisão de um monsenhor, elevando ainda mais a urgência para que o papa Francisco realize reformas no Instituto para Obras da Religião (IOR), nome oficial do banco.

Agência Estado

01 de julho de 2013 | 16h09

O Vaticano disse em comunicado que Paolo Cipriani e seu vice, Massimo Tulli, deixaram seus cargos "pelo bem do instituto e da Santa Sé".

Como os ocupantes do mais alto escalão da administração do banco, Cipriani e Tulli encabeçaram os esforços do papa para pôr em ordem a instituição e colocá-la nos padrões aceitos por reguladores externos.

"Embora estejamos gratos pelo que foi alcançado, está claro hoje que precisamos de uma nova liderança para melhorar o andamento deste processo de transformação", disse Ernest von Freyberg, presidente do Banco do Vaticano.

A medida foi tomada no momento em que o papa Francisco pressiona funcionários do Vaticano a tomar medidas mais duras contra a lavagem de dinheiro. Recentemente, o papa indicou uma comissão especial formada por graduadas autoridades da igreja para uma missão de auditoria no IOR. Fonte: Associated Press e Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
Vaticanobancoescândalo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.