Diretora joga fezes em aluno, mas mantém cargo no Canadá

A diretora de uma escola em Toronto pode reaver seu emprego, após se declarar culpada por jogar excremento humano em um garoto de 12 anos, disseram autoridades nesta terça-feira, 3. "É bem possível que ela volte à sua antiga posição", disse Grant Bowers, advogado da escola. Maria Pantalone, 49 anos, uma irmã do vice-prefeito de Toronto, foi liberada das acusações de agressão na segunda-feira após um juiz ter dito que "ela sofreu o suficiente", segundo documento da corte. As acusações tiveram origem em um incidente ocorrido no dia 30 de julho de 2006, na qual a polícia disse que Pantalone atirou fezes no garoto, que não era um de seus alunos, acertando-o no ombro. As circunstâncias da agressão não puderam ser descritas devido a uma decisão do tribunal destinada a proteger a identidade da vítima. O juiz do caso, contudo, disse que as condições foram muito peculiares. "Não podia mais suportar (o afastamento). Foi uma frustração total", disse Pantalone em depoimento, segundo relatos da mídia. Ela foi suspensa de seu cargo como diretora da escola de ensino fundamental em agosto de 2006. Em sua decisão, o juiz disse que a diretora foi "publicamente envergonhada, se não humilhada. Ela sofreu mais do que os outros". Após a comissão da escola acabar sua própria investigação, ela pode retornar para suas atividades anteriores. "A investigação não vai demorar", disse Bower. "O fato de ela ter admitido a ofensa é certamente um fator".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.