Dirigente da Al Qaeda pode ter morrido em ofensiva militar

Um dos líderes mais procurados da organização terrorista Al Qaeda, Muhsin Musa Matwalli Atwah, pode ter morrido na ofensiva militar empreendida pelo Exército paquistanês na região tribal do Waziristão, no noroeste do país. A informação, dada por fontes militares, ainda não foi confirmada pelo governo paquistanês. Segundo as fontes, oito supostos membros da Al Qaeda, entre eles Matwalli Atwah, foram mortos na operação conduzida na noite da úlitma quarta-feira no povoado de Anghar Kalai, província do Norte Waziristão, próxima à fronteira afegã. O porta-voz das Forças Armadas paquistanesas, general Shaukat Sultan, em um primeiro momento confirmou a morte de quatro rebeldes "estrangeiros" e duas pessoas suspeitas de apoiá-los na operação na qual helicópteros Cobra atacaram os supostos refúgios terroristas. Posteriormente, Sultan elevou o número mortos para oito - cinco supostos terroristas estrangeiros e outros três locais -, embora não tenha acrescentado outros detalhes sobre eles. O ministro de Informação do Paquistão, Sheikh Rashid Ahmed, disse que as autoridades estão tentando confirmar as identidades dos falecidos. Nascido em 19 de junho, 1964 no Egito, Abdul Rahman, também conhecido como Muhsin Musa Matwalli Atwah, é procurado pelo FBI por seu suposto envolvimento nos ataques contra as embaixadas dos Estados Unidos na Tanzânia e no Quênia em 1998, onde morreram 224 pessoas.

Agencia Estado,

13 Abril 2006 | 10h31

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.