Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Discriminação é ainda maior com países do Leste

Conservadores vêem albaneses, romenos e ciganos como ameaças

Andrei Netto, TURIM e NÁPOLES, O Estadao de S.Paulo

14 de setembro de 2009 | 00h00

Os imigrantes mais rejeitados da Itália não são, paradoxalmente, clandestinos. Os ciganos e romenos- a maior parte com passaporte europeu e autorização para viver em qualquer país-membro da União Europeia desde 2007 - são o alvo central da indignação dos italianos, que os associam a assassinatos, tráfico de drogas e prostituição em grandes cidades do país, como Turim e Nápoles. A insatisfação com seus vizinhos do Leste é tamanha que há dois anos uma lei autoriza repatriar cidadãos europeus "por razões de segurança pública".

A diretiva é usada para justificar a expulsão de romenos, búlgaros, armênios e albaneses, sob a acusação de que eles estão envolvidos em até 80% dos crimes praticados na Itália, segundo o senso comum em algumas regiões do país.

No centro da crise estão os imigrantes ciganos e romenos. Mal adaptados à sociedade italiana, os cerca de 160 mil que vivem na Itália se concentram nas periferias, em campos legalizados ou não.

A preocupação com a suposta violência que provocariam levou o Conselho de Estado italiano a aprovar no mês passado a identificação de ciganos e romenos menores de idade com impressões digitais e fotografias - à exemplo do que já era obrigatório para os adultos.

A crise de ciganos e romenos na Itália também chama a atenção da ONU, que alertou para a perseguição institucional contra essas comunidades. Atos de hostilidade vão desde casos simples, como o vivido por uma família de ciganos impedida de entrar em um parque aquático de Roma há 15 dias, até casos mais graves.

Há um ano, em Nápoles, um grupo de romenos e ciganos teve suas casas e carros incendiados em Ponticelli, periferia da cidade, em represália à tentativa de sequestro de uma criança por um estrangeiro.

"Quando acontece roubo, estupro ou morte, logo dizem que é um albanês, um romeno, alguém de cor", queixou-se Klara Kelju.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.