Win McNamee/Getty Images/AFP
Win McNamee/Getty Images/AFP

Discurso de Biden ganha elogios de rivais republicanos

Para comentaristas e estrategistas, ex-vice-presidente superou expectativas na convenção democrata

Redação, O Estado de S.Paulo

22 de agosto de 2020 | 05h30

A campanha de Donald Trump tentou mostrar o ex-vice-presidente Joe Biden como uma pessoa incompetente e sem condições de se apresentar em público em razão da fama de cometer gafes e de sua criticada performance nos debates. No entanto, seu emocionado e articulado discurso que encerrou a convenção democrata foi elogiado até pelos republicanos.

O discurso marcou o primeiro momento nacional da campanha de 2020, com a conclusão das primárias democratas, e o início oficial da disputa entre Biden e Trump pela Casa Branca. “Tinha a expectativa de algo adequado, mas ele se superou”, afirmou o estrategista republicano Mike Murphy, em um podcast. “Acho que Biden teve o momento de sua vida e ele deve estar se sentindo bem com isso.”

Para os comentaristas da conservadora Fox News, Dana Perino e Chris Wallace, Biden “acertou em cheio” com um discurso “extremamente eficaz” que abriu “um rombo” nos esforços de Trump para mostrá-lo como um refém da ala esquerda de seu partido. “Foi o melhor discurso que ele já fez”, disse Bret Baier, também da Fox News. “Foi um discurso muito bom”, afirmou Karl Rove, outro conhecido estrategista republicano.

Para Gloria Borger, da CNN, “este pode ter sido o melhor discurso que Joe Biden já fez”. “Não foi um discurso de convenção, escrito para aplausos. Foi um discurso presidencial, até mesmo uma espécie de bate-papo ao pé da lareira”, afirmou. “Acho que descobrimos esta noite porque Donald Trump o temia tanto”, afirmou Joy Reid, da MSNBC.

Em sua fala, Biden prometeu tirar o país de uma “época de escuridão”. “O atual presidente envolveu a América nas trevas por muito tempo. Muita raiva. Muito medo. Muita divisão”, disse o ex-vice-presidente, de 77 anos.

O democrata criticou ainda o modo como Trump tem lidado com a pandemia de coronavírus, que já matou quase 175 mil pessoas nos EUA. Ao abordar o estado de espírito do país e mostrar solidariedade com as famílias e amigos das vítimas, Biden procurou distinguir seu estilo de liderança do de Trump, que tem sofrido criticas por não fazer referência aos mortos pela doença.

A reação de Trump e dos republicanos pode começar a partir de segunda-feira, quando começa a convenção do partido, que vai referendar o nome dele como o candidato à reeleição. Por enquanto, em todas as pesquisas, Biden vem superando o presidente e mantém uma vantagens de 8,6 pontos porcentuais, segundo a média das sondagens feita pelo site Five Thirty Eight. / NYT e EFE

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.