Discurso de Obama recebe elogios no Oriente Médio

O ministro do Exterior da Síria elogiou o discurso do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, sobre questões árabes e muçulmanas na Turquia e disse que muitos árabes foram encorajados pelas promessas do líder norte-americano de trabalhar pela criação de um Estado palestino. Em sua primeira visita como presidente a uma país predominantemente islâmico, Obama dirigiu-se aos árabes e muçulmanos em seu discurso em Ancara e disse que os Estados Unidos "não estão e nunca estarão em guerra com o Islã". Ele também falou sobre o processo de paz árabe palestino dizendo que vai "insistir ativamente" no objetivo de criar um Estado palestino.

AE-AP, Agencia Estado

07 de abril de 2009 | 20h32

Em entrevista publicada hoje, o ministro do Exterior sírio, Walid al-Moallem, disse que o discurso de Obama "reflete uma clara atenção na direção de uma solução de dois Estados". Al-Moallem disse que as palavras de Obama são "importantes" e "positivas". Mas afirmou que os árabes esperam que Washington pressione o novo governo do primeiro-ministro linha-dura de Israel, Benjamin Netanyahu, a aceitar a criação de um Estado palestino. "Nós precisamos ver como os Estados Unidos vão lidar com o governo israelense, que representa a extrema-direita, e continua a rejeitar a solução de dois Estados", disse al-Moallem ao jornal libanês As-Safir.

O ministro do Exterior egípcio, Ahmed Aboul Gheit, elogiou as declarações de Obama como "criteriosas e críveis". O escritório de Netanyahu divulgou ontem um comunicado dizendo que Israel vai "trabalhar de perto" com os Estados Unidos no processo de paz, mas não fez menção à solução de dois Estados.

A Síria é um dos grandes testes para as tentativas da administração Obama de estabelecer um novo tom nas relações com os países do Oriente Médio. O predecessor de Obama, George W. Bush, procurou isolar a Síria para tentar forçá-la a deixar seu apoio a grupos militantes como o libanês Hezbollah e o palestino Hamas e a fazer mais para evitar que militantes entrem no Iraque. A administração Obama disse que quer um diálogo com a Síria, bem como com seus aliados e o maior rival regional de Washington, o Irã.

Tudo o que sabemos sobre:
Oriente MédioBarack obama

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.