AP Photo/Matt Dunham
AP Photo/Matt Dunham

Discurso tradicional da rainha Elizabeth II sobre programa legislativo do novo governo é adiado

Segundo ministro do Brexit, David Davis, ‘alguns elementos do programa’ dos conservadores apresentados nas eleições ‘serão eliminados’

O Estado de S.Paulo

12 de junho de 2017 | 10h49

LONDRES - O tradicional discurso da rainha Elizabeth II, programado para a próxima segunda-feira e durante o qual leria o programa legislativo do novo governo, foi adiado em alguns dias após o resultado surpresa das legislativas, anunciou a rede BBC nesta segunda-feira, 12.

"A BBC entendeu que o discurso da rainha será adiado por vários dias", informou o canal de notícias sem indicar sua fonte.

De acordo com o jornalista político da BBC Norman Smith, esta decisão, que não foi oficialmente confirmada, deve-se às mudanças no discurso escrito pelo governo.

O ministro do Brexit, David Davis, afirmou nesta segunda-feira que "alguns elementos do programa" dos Tories, conservadores, apresentados nas eleições "serão eliminados".

Questionado sobre o possível adiamento do discurso da rainha, o porta-voz da primeira-ministra Theresa May afirmou que a chefe da Câmara dos Comuns, Andrea Leadsom, deve "especificar a data no momento oportuno".

Enquanto a imprensa insistia para saber se isso significava que o discurso não aconteceria na próxima segunda-feira, o porta-voz disse simplesmente que "cabia à chefe dos Comuns" anunciar a data do discurso.

Enfraquecida pela perda de sua maioria absoluta no Parlamento, Theresa May terá que responder pelo fracasso surpresa diante dos membros de seu partido conservador nesta tarde.

Bloco

David Davis disse que o Reino Unido ainda pode deixar as negociações com a União Europeia (UE) sem fechar um acordo, e que é importante manter essa opção em aberto à medida que as conversas sobre os termos da separação britânica do bloco começam.

Ele afirmou que o governo analisou planos de contingência para sair das conversas sem um acordo e que essa é uma importante opção para garantir o melhor pacto para o Reino Unido.

"Se você entra em uma negociação sem a capacidade de sair, então você tem um resultado ruim nessa negociação", disse Davis à rádio BBC, acrescentando que espera que o Reino Unido seja capaz de entrar em um acordo com a UE sobre os termos da separação. / AFP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.