EFE/Kent Phillips/Disney
EFE/Kent Phillips/Disney

Disney reabre parques dos EUA apesar do avanço da covid-19 no país

Após quatro meses de fechamento, atrações são reabertas mesmo com aumento recorde de registros diários de novos casos de covid-19 nos EUA

Redação, O Estado de S.Paulo

12 de julho de 2020 | 00h36

ORLANDO - A Disney reabriu neste sábado, 11, dois de seus parques na Flórida, apesar da aceleração da pandemia neste estado e em várias regiões dos Estados Unidos, bem como no Brasil, onde os contágios passam de 1,8 milhão e as mortes superam as 71.000.

A reabertura dos parques Disney World, Magic Kingdom e Animal Kingdom ocorre após quatro meses de fechamento e depois que foram registrados na Flórida 10.383 novos casos em 24 horas, perto do pico alcançado em 4 de julho (11.458), e outras 95 mortes.

Os outros dois parques temáticos da gigante do entretenimento voltarão a receber visitantes a partir de quarta-feira.

As medidas de segurança incluem medição da temperatura na entrada, uso obrigatório de máscaras, dispensadores de álcool em gel e distanciamento de dois metros entre as pessoas nas atrações e nas lojas.

Mas as críticas têm se multiplicado nas redes sociais. No estado do sudeste, governado pelo republicano Ron DeSantis e um dos mais afetados pela pandemia nos últimos dias, o desconfinamento ocorreu em maio, antes de outros estados do país, contrariando as recomendações dos especialistas.

A recidiva se repete em outras regiões, como na Geórgia, onde a prefeita de Atlanta, Keisha Bottoms, ordenou na sexta-feira a volta para a fase 1 de confinamento, após ter reaberto as atividades na cidade.

Os Estados Unidos se mantêm de longe como o país mais afetado pela pandemia. Neste sábado, o país registrou um novo recorde diário, com 66.528 novos casos, segundo contagem divulgada às 21h30 de Brasília pela Universidade Johns Hopkins, elevando o total de infectados a 3.242.073 e o de mortos a 134.729, com 760 novos óbitos em 24 horas.

Anthony Fauci, especialista assessor da Casa Branca na crise sanitária, reiterou as advertências de que o surto se agrava diante da falta de uma estratégia coerente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.