Disneylândia Japão contratará 2 mil funcionários apesar da crise

Cerca de cem pessoas esperavam desde o início da manhã para ser os primeiros a solicitar os postos de trabalho

EFE

25 de janeiro de 2009 | 06h59

A Oriental Land, operadora da Disneylândia Tóquio e da DisneySea, organizou neste domingo entrevistas para contratar cerca de 2.000 trabalhadores em tempo parcial, em um momento de grandes demissões deste tipo de empregados no Japão. A operadora deste parque temático, situado em Urayasu, na província de Chiba (leste de Tóquio), está em pleno processo de seleção de empregados para 20 tipos de postos trabalhistas diferentes. Segundo a companhia, citada pela agência local de notícias "Kyodo", o parque contratará novos trabalhadores para as atrações, para os restaurantes e guardas de segurança, entre outros. Os novos contratados começarão a trabalhar a partir de fevereiro. O processo de seleção acontece em um momento em que a maioria das grandes companhias japonesas começou a se ver obrigada a despedir uma elevada percentagem de seus trabalhadores temporários e a tempo parcial. Algumas inclusive anunciaram demissões de seus trabalhadores fixos, uma medida muito pouco comum nas companhias japonesas, perante os efeitos piores que o esperado pela crise econômica global. Cerca de uma centena de pessoas esperavam desde a primeira hora desta manhã a abertura do centro de conferências Tokyo International Forum, onde as entrevistas estão sendo feitas, para ser os primeiros a solicitar os postos de trabalho.

Tudo o que sabemos sobre:
TÓQUIODISNEYLÂNDIACRISE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.