Dispara risco país da Argentina

A declaração de moratória da dívidaexterna provocou hoje uma disparada do risco país daArgentina, num dia de poucos negócios. O indicador, que fechousexta-feira em 4.722 pontos, estava em 5.084 pontos às 13h. OArgentina 08, um dos títulos mais negociados da dívida do país,recuou 10,21%, depois de cair 34,5% pela manhã.No Brasil, o mercado teve um dia de pouca liquidez. O dólarfechou em baixa de 0,26%, cotado a R$ 2,335. O C-Bond, oprincipal título da dívida externa brasileira, recuou 0,66%,cotado a 75,50 centavos de dólar. As bolsas não abriram.Quando o mercado retomar os negócios depois de amanhã, serápossível ver com um pouco mais de precisão o impacto damoratória argentina sobre o mercado brasileiro, embora aliquidez também não deverá ser das maiores. O consultor EmilioGarofalo Filho, ex-diretor da área externa do BC, entende que ocalote não deve ter um efeito importante sobre os preços dosativos brasileiros, uma vez que era algo amplamente esperado. Ele alerta, no entanto, que o dólar pode ter movimentos maisbruscos nesta semana - de alta ou de baixa - não por causa daArgentina, mas porque os negócios costumam mingar no fim do ano.Há muitos investidores que preferem passar o ano com dólares emcarteira, para não correr nenhum risco. "Por isso, os preçospodem ter movimentos que não vão indicar necessariamente areação à moratória da Argentina", afirma ele, um dos maioresespecialistas em câmbio do País. E depois de amanhã é o últimodia em que o BC vai vender a cota de US$ 50 milhões diários. Nummercado sem liquidez, talvez isso faça alguma diferença.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.