Dispositivo antiadolescente ganha prêmio Ig Nobel

Um dispositivo que repele adolescentes ganhou o prêmio Ig Nobels da Paz, uma paródia do conceituado prêmio Nobel. A invenção, de Howard Stapleton, do País de Gales, emite um som estridente inaudível para adultos, mas que irrita os adolescentes.Entre outros contemplados estão um estudo feito por israelenses e americanos sobre como colocar um dedo no reto cura soluços e um relatório sobre a razão pela qual pica-paus não ficam com dor de cabeça.Todas as pesquisas são verdadeiras e são publicadas, com freqüência, em revistas científicas de prestígio. Ao contrário de contemplados com prêmios mais ilustres, os ganhadores do Ig Nobels não recebem dinheiro.Apesar disso, oito dos dez ganhadores de 2006 pagaram suas próprias despesas para buscar seus prêmios na cidade de Cambridge, Massachusetts.FotografiaMarc Abrahams, editor de ciência da revista humorística Annals of Improbable Research (Anais de Pesquisas Improváveis), que co-patrocina os prêmios, disse que o objetivo do Ig Nobels é homenagear o que é "original", o que é "criativo" e "despertar o interesse das pessoas em ciência, medicina e tecnologia".O prêmio foi criado em 1991.Os contemplados têm um minuto para fazer um discurso de aceitação do prêmio. O tempo é controlado por uma menina de oito anos ruidosa.Abaixo, a lista de premiados por categoria. Paz: Dispositivo que repele adolescentes, de Howard Stapleton.Matemática: Quantas fotos precisam ser tiradas para quase garantir que ninguém em uma foto coletiva aparecerá com os olhos fechados, de Nic Svenson e Piers Barnes.Ornitologia: Porque pica-paus não ficam com dor de cabeça, por Ivan Schwab e Philip R.A. May.Nutrição: Porque insetos de excrementos são seletivos na alimentação, de Wasmia al-Houty e Faten al-Mussalam.Acústica: Porque o som de unhas aranhando quadros negros é tão irritante, de D. Lynn Halpern, Randolph Blake e James Hillenbrand.Medicina: A Eliminação de Soluços Intratáveis com Massagem Retal Digital, de Francis Fesmire, Majed Odeh, Harry Bassan e Arie Oliven.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.