Miraflores Palace/Handout via REUTERS
Miraflores Palace/Handout via REUTERS

Disputa entre Venezuela e Brasil trava eleição para Conselho de Direitos Humanos da ONU

Itamaraty articula para impedir que El Salvador, apoiado por Caracas, assuma presidência de órgão da entidade

Jamil Chade CORRESPONDENTE / GENEBRA, O Estado de S.Paulo

02 de novembro de 2016 | 17h14

GENEBRA - Os governos da América Latina não conseguem chegam a um acordo sobre quem será o novo presidente do Conselho de Direitos Humanos da ONU, a partir de janeiro de 2017. De um lado, El Salvador, candidato preferido da Venezuela e único nome oficialmente na disputa, não tem o respaldo de países como Brasil e Argentina. A candidatura brasileira, que chegou a ser cogitada, esbarrou na oposição chavista. 

Nesta quarta-feira, 2, em Genebra, uma reunião entre embaixadores da região terminou apenas com a decisão de se adiar qualquer indicação. Pelo rodízio de regiões, cabe ao continente assumir em 2017 o posto máximo em termos de direitos humanos na ONU. 

A diplomacia brasileira pressiona para evitar o consenso em torno de El Salvador. O Itamaraty chegou a avaliar uma candidatura, mas  diplomatas de alto escalão indicaram que a tendência é o País retome seu assento no Conselho de Direitos Humanos no ano que vem sem  a presidência. Com isso, o Brasil poderia tomar uma "posição ativa" no organismo.

Nos bastidores, diplomatas de outros governos apontam que o recuo do Brasil ocorreu por conta de um claro sinal de que o Itamaraty não conseguiria reunir um consenso para representar a América Latina, uma vez que a Venezuela se oporia à candidatura.

Ao Estado, o embaixador venezuelano nas Nações Unidas, Jorge Valero, insistiu que "não teria cabimento" a presidência do órgão ser dada ao governo de Michel Temer.  Diplomatas venezuelanos confirmaram ao Estado que não estavam dispostos a aceitar o nome do Brasil. "Não permitiremos que haja um consenso", disse um deles, na condição de anonimato. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.