Disputa nos EUA leva partidos a convocar eleitores

Os partidos Republicano e Democrata acionaram suas bases para estimular eleitores a comparecer em massa às urnas nesta terça-feira para a eleição de metade de mandato - que recebe este nome porque ocorre no meio do mandato presidencial. Os eleitores escolherão todos os 435 membros do Congresso, um terço do Senado e governadores de 36 dos 50 Estados americanos. Há cerca de 200 milhões de eleitores registrados para votar. A convocação de última hora foi estimulada por pesquisas que mostram uma redução na vantagem mantida pelos democratas sobre os republicanos. De acordo com pesquisa do instituto Pew Research Center divulgada no domingo, a vantagem dos democratas sobre seus rivais caiu para 47% contra 43%. Há duas semanas, os democratas desfrutavam de uma vantagem de 50% contra 39%. Outra pesquisa recém-divulgada, realizada pelo jornal Washington Post e pela rede de TV ABC, mostrou que a vantagem dos democratas sobre os republicanos ainda é de 51% contra 45%. Uma redução em relação à pesquisa realizada em meados de outubro, quando os democratas desfrutavam de 55% contra 41%. Nesta segunda-feira, o último dia da campanha, o presidente americano, George W. Bush, participou de comícios nos Estados da Flórida e do Texas. O líder americano fez menção ao conflito no Iraque, o tema que é considerado o mais importante do país no momento pelos eleitores americanos, segundo a pesquisa do Pew Research Center. "Eu peço que nossos cidadãos compareçam às urnas. Lembre-se, se você quer que seus impostos continuem baixos, vote nos republicanos. E quando você for votar, lembre-se que estamos em guerra. E se você quer que seu país faça todo o possível para protegê-lo e, ao mesmo tempo, criar as bases para a paz para gerações futuras, vote nos republicanos", afirmou Bush. O líder americano louvou a decisão da Justiça iraquiana de condenar à morte o ex-líder iraquiano Saddam Hussein, e disse que os republicanos, ao contrário dos seus rivais, possuem uma estratégia para o Iraque. "Sair à caça" O ex-presidente americano Bill Clinton, que fez campanha em Nova York, disse que as perspectivas democratas de assumir o controle da Câmara e do Senado dependerão da capacidade dos democratas em convencer os indecisos a votar em seus candidatos. "Temos que pôr todo mundo na rua e sair à caça de pessoas que ainda estão em cima do muro. Pegue-os pela mão e diga que está na hora de eles saltarem para um futuro melhor", afirmou Clinton. Em seus sites na Internet, os diversos comitês republicanos e democratas estão pedindo que seus correligionários se ofereçam para trabalhar como voluntários para acionar potenciais eleitores através de telefonemas, e-mails e faxes. O campo democrata vem recorrendo ao envio de e-mails como este recebido pela BBC Brasil e enviado pelo comitê democrata no Estado de Maryland: "É fácil nos ajudar a estimular o comparecimento e tomar de volta o Senado. Se candidate para trabalhar em um dos nossos dois escritórios em Washington, após seu horário de trabalho hoje à noite (segunda-feira) ou em algum horário amanhã. Dê alguns telefonemas e contribua com o esforço para mudar os rumos de nosso país!" Michael Moore convoca O cineasta e ativista democrata Michael Moore também enviou e-mails a todos os assinantes de seu site. Em sua mensagem, o diretor de Fahrenheit 11 de Setembro afirma: "Cheque sua agenda, seu telefone celular e seu computador e telefone ou mande e-mails para todo mundo que você conhece. Diga a eles o quanto representa para você se eles votaram nesta terça-feira. Se eles não sabem onde votar, ajude-os a achar o endereço do posto eleitoral deles." De acordo com Moore, os democratas não devem começar a cantar vitória antes da hora. "Por mais que as coisas pareçam bem para os democratas, não comecem a festejar ainda. Não acreditem que os republicanos planejam perder. Eles irão lutar como cães nas próximas 24 horas - uma ação incessante, sem perdão, para tirar de casa cada eleitor conservador no dia da eleição." Moore conclui dizendo: "Ok, desligue o computador, que eu o farei também. Existe um sério trabalho pela frente. A boa notícia? Existem mais de nós do que deles. Vamos provar isso de uma vez por todas. Você tem algo mais importante para fazer hoje? Nada menos do que o resto do mundo depende de nós". Indecisos Em entrevista à BBC Brasil, John Zogby, o presidente do Instituto Zogby, um dos mais renomados institutos de pesquisa americanos, afirmou que ainda há entre 10% e 15% de eleitores indecisos. "Existem movimentos de base nos dois lados. Eles sabem quem são os indecisos. Do lado democrata, há 20% de hispânicos indecisos, que poderão ir às urnas por causa de políticas antiimigração dos republicanos. Do lado conservador, há os evangélicos, que poderão ser atraídos às urnas em Estados onde há referendos sobre temas como a proibição do casamento gay ou pesquisa com células-tronco", diz Zogby. Mas Zogby afirma que pode haver surpresas. "Pesquisas mostram que há muitos cristãos fervorosos, entre 20% e 30%, que são favoráveis a pesquisas sobre células-tronco. Estes talvez não estejam propensos a votar nos republicanos. O risco é que, em vez de conseguir atrair suas bases, os republicanos sejam vistos como o partido do obscurantismo, e os democratas, como o partido da ciência", afirma. Mas, para o pesquisador, o assunto que mais deverá atrair eleitores às urnas deverá ser a guerra no Iraque. "A eleição é um referendo sobre a guerra. É o tema número 1 no país."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.