Disputa por ilhas Dokdo provoca tensão entre Seul e Tóquio

A Coréia do Sul rejeitou nesta quinta-feira uma proposta do Japão em que Tóquio se comprometia a suspender as investigações oceanográficas nas pequenas ilhas Dokdo, disputadas pelos dois países, caso Seul deixasse de lado a intenção de realizar suas próprias pesquisas topográficas no fundo do mar da região.O secretário-chefe em assuntos de Assuntos Exteriores e Segurança Nacional da Presidência da Coréia do Sul, Song Min-soon, disse à emissora de rádio KBS que seu país não aceitará tais condições, que, segundo, ele põem em risco a soberania sul-coreana sobre as duas ilhotas situadas em águas disputadas por Seul e Tóquio.A atual crise entre Japão e Coréia do Sul pelas ilhas Dokdo eclodiu na quarta-feira, quando Tóquio indicou que seguia adiante em seu plano de enviar dois navios para realizar prospecções marítimas na área litigiosa. Imediatamente, Seul respondeu ameaçando tomar "todo tipo de medidas", uma alusão velada à intervenção armada, para impedir a ação dos japoneses.SoberaniaEm seguida, a Coréia do Sul enviou às Dokdo vinte embarcações patrulheiras armadas, para proteger a "soberania" sul-coreana sobre essas ilhas desabitadas.Os dois navios japoneses, que passaram a noite em Sakaiminato, porto japonês mais próximo às Dokdo, pretendem investigar a topografia do fundo do oceano da região e apresentar os resultados desse trabalho em uma conferência internacional que será realizada na Alemanha em junho.Esta missão oceanográfica é uma resposta aos planos sul-coreanos de mostrar um estudo sobre sobre topografia marinha das Dokdo nessa mesma conferência. O objetivo da Coréia do Sul é impor nomes em coreano para todos os acidentes geográficos do mapa oceanográfico da região.Segundo o Japão, a possibilidade de essa atitude ser aceita pelas sociedades científicas internacionais presentes na conferência alemã significaria a aceitação, na prática, da soberania sul-coreana dessas ilhas, que os dois países disputam desde o fim da II Guerra Mundial.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.