Disputa presidencial dos EUA está tecnicamente empatada

A menos de duas semanas da eleição para presidente dos Estados Unidos, os candidatos Barack Obama e Mitt Romney estão tecnicamente empatados, mostra nova pesquisa da Associated Press-GfK. Romney, candidato pelo Partido Republicano, eliminou a vantagem de 16 pontos porcentuais que o presidente tinha entre as mulheres no mês passado. Obama, por sua vez, diminuiu a dianteira que seu adversário possuía entre os homens.

AE, Agência Estado

25 de outubro de 2012 | 09h41

Com isso, a corrida à Casa Branca está virtualmente igual, com o republicano com 47% das intenções de voto e o democrata com 45%, resultado dentro da margem de erro.

Após uma importante vitória no primeiro debate e um mês bom para sua campanha, Romney avançou em diversas áreas de percepção entre os eleitores norte-americanos, incluindo a confiança na maneira que guiará a economia e sua imagem como solucionador de problemas. Ao mesmo tempo, a expectativa de que Obama seja reeleito diminuiu: metade dos entrevistados acha que ele vencerá, contra 55% no mês passado.

Apesar das boas notícias para os Republicanos, o que mais importa para o resultado do pleito são os votos nos Estados em que os eleitores ainda estão indecisos. Nos EUA o presidente não é escolhido através de votação nacional, mas por disputas Estado a Estado. Pesquisas mostram que em vários dos locais decisivos Obama ainda está na frente.

A pesquisa AP-GfK indica que a intenção de voto das mulheres está dividida em 47% para cada candidato. No mês passado, Obama tinha 16 pontos porcentuais de vantagem. Por outro lado, a campanha de Romney enfrenta a polêmica causada por um candidato republicano ao Senado que afirmou que uma gravidez causada por estupro é "obra de Deus". Há um mês Romney tinha 13 pontos porcentuais de vantagem sobre o presidente entre os homens. Agora, sua liderança é de 5 pontos. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAeleiçãopesquisa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.