Disputa presidencial se acirra na Bolívia

A corrida presidencial na Bolívia ficou mais acirrada. Segundo pesquisas divulgadas hoje no país, o candidato favorito, Manfred Reyes Villa, diminuiu sua distância nas intenções de voto com o segundo colocado, Gonzalo Sánchez de Lozada. Os jornais La Prensa, Los Tiempos, El Dever e a cadeia de televisão Unitel informaram que Villa - um ex-capitão do exército que lidera a populista Nova Força Republicana (NFR), outrora parte das forças governistas - tem a preferência de 20% dos eleitores, ante 27% que detinha em 7 de junho. O ex-mandatário Sánchez de Lozada, por sua vez, subiu para 17%, ante os 14% que tinha anteriormente. Segundo a pesquisa, encomendada pelos jornais a empresa Equipos Mori, tem margem de erro de 3%. Lozada, que integra o opositor Movimento Nacionalista Revolucionário (MNR), passou a ocupar o primeiro lugar em cinco dos nove departamentos (estados) da Bolívia, enquanto Reyes Villa triunfa nos dois mais povoados. O terceiro colocado, o também ex-presidente Jaime Paz Zamora, do governista Movimento da Esquerda Revolucinária (MIR), tem 13% dos votos e vence em um departamento. Em 7 de junho, contava com 11%. Na quarta posição está o líder dos produtores de coca Evo Morales, do partido de esquerda radical Movimento ao Socialismo (MAS), que surpreendeu ao alcançar 12% das preferências eleitorais, após sair com 4%.Na terça-feira, outros meios de comunicação, encabeçados pela rádio católica Fides, divulgaram um pesquisa aplicada dois dias antes, com margem de erro de 3%, segundo a qual Reyes Villa tem 25% dos votos, Sánchez de Lozada 19,2%, Paz Zamora 15% e Morales 12,8%. Manfred Reyes Villa, que está à frente nas pesquisas, deve se reunir hoje com o cardeal Julio Terrazas para esclarecer seus vínculos com a seita do reverendo Moon. Erick Reyes Villa, irmão e porta-voz do candidato, informou que o presidenciável pediu a reunião para esclarecer ao chefe da Igreja Católica na Bolívia que nem ele, nem seu partido, o NFR, têm vínculos com a seita religiosa liderada pelo coreano Syun Yun Moon.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.