Disputa será apertada nas eleições alemãs

As eleições legislativas do próximo domingo na Alemanha serão uma disputa apertada entre o primeiro-ministro social-democrata Gerhard Schroeder, que detém uma leve vantagem, e seu rival conservador Edmund Stoiber, segundo indicam as últimas pesquisas de intenção de voto divulgadas nesta sexta-feira. O instituto de pesquisas Allensbach, o único que em 1998 previu a vitória dos social-democratas (SPD), indicou nesta sexta que 37,5% dos eleitores consultados votarão no SPD, e 37% na coalizão CDU-CSU de Stoiber.Neocomunistas podem ficar de foraA mesma sondagem atribui aos liberais do FDP o terceiro lugar, com 9,5% dos votos, e 7,5% para os Verdes, enquanto os neocomunistas, com apenas 4,5% das intenções de voto, correm o risco de ficar fora do Bundestag (Parlamento federal) por não superarem o índice mínimo de 5%.Segundo essa sondagem, a CDU-CSU e o FDP poderiam obter a maioria absoluta das cadeiras do Parlamento, com 46,5% dos votos, enquanto a coalizão no governo SPD-Verdes obteria apenas 45%. De qualquer modo, a aritmética dos levantamentos está submetida à importante variável dos neocomunistas, desde que eles obtenham o número suficiente de sufrágios que lhes permita ocupar pelo menos um dos 598 assentos do Parlamento.Imigrantes também vão votarNas eleições do próximo domingo, votarão 61,2 milhões de eleitores - o número mais alto registrado até agora, e que inclui, também pela primeira vez, o voto de um milhão de imigrantes que obtiveram a cidadania alemã.O sistema eleitoral prevê dois votos: um destinado a eleger o representante de cada uma das 270 circunscrições eleitorais, onde o vencedor é o que obtiver mais votos. O outro é para o partido, que decide justamente a concorrência entre as diferentes agremiações políticas que se apresentam às urnas.Os cinco partidos representados em todas as regiões que já contam com uma representação no Bundestag são SPD, CDU, CDU-CSU (democrata-cristãos e social-cristãos bávaros), Partido Verde, os liberais do FDP e o PDS (ex-comunistas ou neocomunistas).Nenhum dos três partidos de extrema direita - NPD, DVU e Republikaner - está representado no Parlamento; nas últimas eleições, eles obtiveram uma porcentagem muito reduzida de votos. O chanceler, nome que é dado na Alemanha ao chefe de governo, é eleito pelo Bundestag, embora sua nomeação oficial seja feita pelo presidente da República, atualmente Johannes Rau.Momentos-chaveA campanha eleitoral, que terminou nesta sexta-feira, foi caracterizada por dois momentos-chave: as gravíssimas inundações que arrasaram Dresden e outras cidades alemãs e a ameaça de uma nova guerra no Iraque. Ambos os fatores beneficiaram, segundo analistas locais, o premier social-democrata.A firme posição assumida por Schroeder durante as inundações e sua firme rejeição a uma intervenção militar "preventiva" no Iraque - como querem os EUA - levaram-no a obter alguns pontos de vantagem sobre um ambíguo Stoiber, que opinou que a decisão compete à ONU.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.