Dissidência do IRA assume assassinato de carcereiro

David Black trabalhava na prisão de Maghaberry, onde cerca de 40 integrantes do grupo estão presos

AE, Agência Estado

12 de novembro de 2012 | 14h53

BELFAST - Uma nova dissidência do Exército Republicano Irlandês (IRA, pela inicial em inglês) assumiu responsabilidade pelo seu primeiro assassinato. O grupo, que se autodenomina simplesmente de IRA, afirmou em um comunicado nesta segunda-feira, 12, que um dos membros baleou e matou David Black, um homem de 52 anos, escolhido como alvo por trabalhar como carcereiro na prisão de alta segurança de Maghaberry.

Cerca de 40 membros da facção estão encarcerados em Maghaberry. Os prisioneiros protestam há mais de um ano contra a política de revistas, na qual eles têm de se submeter a buscas por armas, drogas e celulares.

O carcereiro foi alvejado quando dirigia de volta para casa em 1º de novembro. Seu carro caiu de uma rodovia em um barranco.

A nova dissidência diz representar uma união de três grupos hostis ao processo de pacificação da Irlanda do Norte. O novo IRA descreve o assassinato como uma punição à "degradação" infligida pelo governo britânico em Maghaberry aos seus partidários.

Com AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.