Dissidência do IRA reivindica morte de policial

Dissidentes do Exército Republicano Irlandês (IRA, na sigla em inglês) reivindicaram hoje a morte de um policial ocorrida ontem. O policial foi morto a tiros quando respondia a um pedido de emergência, 48 horas depois do assassinato de dois soldados. O IRA Continuidade afirmou ter matado Stephen Carroll, de 48 anos, enquanto ele fazia uma patrulha pela cidade de Craigavon, a sudoeste de Belfast. Em um comunicado cifrado à mídia local, o grupo separatista ameaçou atacar novos alvos policiais "enquanto houver envolvimento britânico na Irlanda".No sábado houve um ataque a uma base do Exército britânico em Belfast, reivindicado pelo IRA Autêntico, outra dissidência do IRA. A investida deixou dois soldados mortos e outras quatro pessoas feridas. As mortes são as primeiras de forças de segurança britânicas na Irlanda do Norte desde 1998. Naquele ano foi firmado um acordo entre políticos britânicos protestantes e irlandeses católicos, a fim de encerrar décadas de violência.Por mais de uma década dissidentes do IRA tentam elevar a instabilidade na área, a fim de reverter os resultados do processo de paz na Irlanda do Norte. A maratona de negociações políticas já conseguiu a renúncia à violência por parte de grupos paramilitares rivais, no meio dos anos 1990, o desarmamento do IRA em 2005, a chegada ao poder da administração de católicos e protestantes em 2007 e a retirada das tropas britânicas das funções de segurança, há dois meses.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.