Dissidente acusa China de perseguir seus familiares

PEQUIM - O dissidente chinês cego Chen Guangcheng, que recentemente provocou uma crise diplomática entre Pequim e Washington, acusou nesta quinta-feira, 10, o governo da China de perseguir seus familiares na sua província natal de Shandong, em retaliação por ele ter escapado da prisão domiciliar.

AE, Agência Estado

10 Maio 2012 | 11h01

Segundo Chen, seu irmão e cunhada foram postos em prisão domiciliar e seu sobrinho foi detido, enquanto outros parentes seus sofreram algum tipo de restrição no vilarejo em que vivem e de onde o dissidente fugiu no mês passado.

Há cerca de uma semana, Chen deixou a Embaixada dos EUA em Pequim, onde se refugiou por seis dias após escapar da prisão domiciliar com a ajuda de amigos e outros dissidentes.

Cegado por uma febre na infância, Chen é um advogado autodidata que ganhou notoriedade mundial por expor esterilizações forçadas e abortos tardios sob a "política do filho único" da China e por usar seu conhecimento legal para ajudar as pessoas a lutarem contra outras injustiças.

Chen aguarda autorização de Pequim para estudar no exterior, acompanhado de sua esposa e filhos, segundo acordo fechado entre a China e os EUA. As informações são da Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
China dissidente

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.