David Gray/Reuters
David Gray/Reuters

Dissidente acusa Pequim de 'não ter vergonha' por exigir pagamento de multa

Ai Weiwei é acusado pelas autoridades de evasão fiscal e foi multado em US$ 2,3 milhões

Efe

02 de novembro de 2011 | 10h11

PEQUIM - O artista e dissidente chinês Ai Weiwei criticou o governo de Pequim nesta quarta-feira, 2, pela cobrança do equivalente a US$ 2,3 milhões pela suposta evasão de impostos, acusando as autoridades de "não terem vergonha". "Todos os ministérios do país, todos esses homens e mulheres, não têm vergonha de se transformarem em ferramentas da perseguição do poder político", questionou Ai, de 54 anos, no Twitter, microblog sob censura na China.

 

Veja também:

linkPequim cobra US$ 2,3 milhões de dissidente por 'evasão fiscal'

 

Sem ordem de prisão oficial emitida, Ai ficou preso neste ano durante 81 dias em local não revelado, período em que sofreu tortura psicológica. A acusação contra ele é de evasão fiscal, o que nega e atribui a uma vingança pela sua dissidência política.

 

O artista foi libertado após promoter ao regime chinês que não daria entrevistas à imprensa estrangeira nem publicaria opiniões na internet, um acordo já quebrado em diversas ocasiões. Ele também não pode sair de Pequim, embora tenha certa liberdade para circular pela capital chinesa.

 

"É o colapso das bases autoritárias", disse. "Desprezam os princípios morais e a justiça", prosseguiu o artista conceitual chinês, um dos desenhistas do estádio olímpico de Pequim, mas também uma das vozes mais ferozes contra o regime do país asiático. "Tudo isto vai mais longe do que se possa imaginar. Estou em choque, é uma tragédia, me sinto impotente", conclui o artista.

 

A detenção em abril de Ai gerou inúmeras críticas de governos ocidentais e grupos de direitos humanos. Depois do anúncio da multa, ele voltou a receber gestos de apoio. Nesta quarta, o comissário do governo para os Direitos Humanos alemão, Markus Loning, falou com preocupação sobre o tratamento que as autoridades chinesas estão dando ao artista e pela exigência do pagamento da multa, o que evidencia dúvidas sobre a aplicação da lei.

 

Segundo as autoridades chinesas, Ai terá de pagar a multa no prazo de 15 dias. A quantia cobrada é tão alta que equivale a um ano de receita das ferrovias chinesas em todo o ano de 2010, comparou o artista em outro comentário no Twitter.

 

A detenção de Ai foi uma das mais polêmicas entre as centenas de ativistas, intelectuais, advogados e artistas que as autoridades chinesas têm detido e torturado desde abril com o objetivo de frear qualquer manifestação como as da primavera árabe em seu país.

 

Conforme a ONG Chinese Human Rights Defenders (CHRD), do total de dissidentes presos, somente 52 tiveram ordem formal de detenção por motivos políticos.

Tudo o que sabemos sobre:
ChinaAi WeiweiÁsiaPequim

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.