Dissidente chinês é julgado por poema e mensagens no Skype

Em abril, Zhu Yufu foi preso por 'incitar a subversão do poder do Estado', segundo seu advogado

Reuters

31 de janeiro de 2012 | 07h53

PEQUIM - Promotores chineses citaram nesta terça-feira, 31, um poema e mensagens enviadas pelo Skype no julgamento do dissidente Zhu Yufu, na cidade de Hangzhou, onde ele foi preso em abril e acusado pela polícia de incitar "`a subversão do poder do Estado", disse seu advogado, Li Dunyong.

 

O tribunal ainda não divulgou o veredito contra Zhu, que em fevereiro completa 59 anos, mas a impressão é que o caso seguirá o de outros dissidentes chineses que receberam duras sentenças de prisão do Judiciário, controlado pelo Partido Comunista, as quais são frequentemente uma forma de punir os defensores de mudanças democráticas.

 

No processo contra Zhu, os promotores citaram seu poema "É Hora", que circulou na Internet, bem como mensagens de texto enviadas pelo serviço online do Skype, disse o advogado.

 

No poema há referências a "uma praça pertencente a todos", o que poderia evocar memórias dos protestos pró-democracia na Praça Tiananmen, em 1989. Quanto às mensagens, não houve indícios de que o Skype tenha ajudado a polícia a coletar as provas, disse Li à Reuters por telefone.

Tudo o que sabemos sobre:
ChinadissidenteÁsiaZhu Yufu

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.