Dissidente cubano morre 4 dias depois de ser detido

A oposição cubana denunciou que o dissidente Juan Wilfredo Soto García, de 46 anos, morreu ontem, quatro dias depois de ser detido pela polícia , supostamente golpeado na cabeça. Soto García era um ex-preso político que militava no Fórum Antitotalitário Unido e era conhecido no meio como "O Estudante", por ter sido preso pela primeira vez aos 16 anos. A versão oficial da causa da morte do dissidente foi dada pelos médicos que o atenderam: uma pancreatite. O governo, que considera os opositores "mercenários" que recebem dinheiro dos EUA, não se pronunciou sobre o caso. Fontes de um hospital da cidade de Santa Clara, a 300 quilômetros de Havana, informaram apenas que Soto García foi internado na madrugada de sábado. Segundo o dissidente Guillermo Fariñas, que teria conversado com Soto García antes de sua morte, o ativista teria sido abordado por policiais na quinta-feira no parque Vidal, apenas por estar sentado ali. Os agentes teriam mandado Soto García circular, mas ele teria insistido em permanecer no local, por ser um homem livre. Ele foi golpeado e detido por gritar dizeres contra o governo.

Efe e AFP, O Estado de S.Paulo

09 de maio de 2011 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.