Dissidente cubano recebe prêmio de direitos humanos da UE

Guillermo Fariñas ficou conhecido por greves de fome que visavam pressionar o regime castrista.

BBC Brasil, BBC

21 Outubro 2010 | 12h30

Parlamento quer que Fariñas receba prêmio pessoalmente em dezembro

O Parlamento da União Europeia anunciou nesta quinta-feira o dissidente cubano Guillermo Fariñas como o vencedor do prêmio de direitos humanos Sakharov, dado a "indivíduos excepcionais que combatem a intolerância, o fanatismo e a opressão".

Psicólogo e jornalista independente, Fariñas, 48, ganhou notoriedade internacional com uma greve de fome de quatro meses encerrada em julho, quando o governo cubano decidiu libertar 52 prisioneiros políticos.

O dissidente, que ficou preso por 11 anos, já havia feito outros 22 jejuns para protestar contra o regime castrista.

O presidente do Parlamento Europeu, Jerzy Buzek, disse que espera "entregar o prêmio pessoalmente a Fariñas aqui em Estrasburgo (cidade da França, sede do Parlamento) em dezembro, o que seria um grande momento para todos os presos de consciência de Cuba".

Europa x Cuba

O anúncio do prêmio ocorre poucos dias antes de os chanceleres europeus se reunirem para discutir as relações entre União Europeia e o governo cubano.

A chamada Posição Comum, adotada pelo bloco europeu em 1996, condiciona a aproximação com Havana a avanços em direitos humanos na ilha.

Em decorrência da libertação dos 52 prisioneiros, alguns governos, como o espanhol, advogam pela normalização dos laços com Cuba, mas a centro-direita europeia se opõe.

Outros finalistas desta edição do prêmio Sakharov foram a ONG israelense Breaking the Silence, que expõe o que considera injustiças na ocupação de territórios palestinos, e a política etíope Birtukan Midesksa, que luta pela democracia em seu país.

É a terceira vez que a dissidência cubana recebe o Sakharov, um prêmio de 50 mil euros (cerca de R$ 116 mil).BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.