Dissidente libertado terá de pagar US$ 1,9 milhão de impostos e multas

Autoridades da China querem que o artista plástico e dissidente político Ai Weiwei, libertado na semana passada por Pequim, pague US$ 1,9 milhão em impostos e multas. A admissão de que havia sonegado impostos foi uma condição do governo para sua libertação após três meses de prisão. De acordo com Liu Xiaoyuan, advogado e amigo do artista, o dissidente recebeu a notificação na segunda-feira. "De acordo com a lei de evasão fiscal, se ele não pagar, poderá ser submetido a um processo", disse Liu. Ontem, em encontro em Berlim, a chanceler alemã, Angela Merkel, pediu ao primeiro-ministro chinês, Wen Jiabao, que Ai e outros dissidentes políticos tenham um julgamento "transparente".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.