Andrew Harnik/AP
Andrew Harnik/AP

Dissidentes cubanos estão divididos sobre reabertura das embaixadas

Alguns opositores chamaram retomada diplomática de 'fato histórico', mas outros não acreditam em mudanças dentro da ilha 

O Estado de S. Paulo

21 de julho de 2015 | 09h42

HAVANA - A dissidência cubana reagiu com opiniões divididas na segunda-feira ao restabelecimento das relações diplomáticas entre Cuba e Estados Unidos com a reabertura das embaixadas em Washington e Havana. Alguns opositores reconheceram o acontecimento histórico, mas outros questionam se realmente melhorará a situação interna da ilha.

Em declarações à agência Efe, o líder da Comissão Cubana de Direitos Humanos e Reconciliação Nacional (CCDHRN), Elizardo Sánchez, disse ver com "bons olhos" o restabelecimento de vínculos, mas insistiu no risco de que a ação seja algo somente "simbólico". "Seguimos insistindo em que não haverá mudanças significativas quanto à situação interna em Cuba porque o governo continuará resistindo à necessidade de fazer reformas para garantir um nível de vida razoável."

Berta Soler, líder das Damas de Branco, comentou que a reabertura das embaixadas "não é nada transcendental, nada que possa beneficiar" ao povo.

Mais otimista, Manuel Cuesta Morúa, do grupo opositor Arco Progressista, ressaltou que a segunda-feira doi um dia "histórico", de "muitas expectativas", que significou "o fim da excepcionalidade de Cuba com relação ao resto da América Latina".

Para José Daniel Ferrer, líder da União Patriótica de Cuba (Unpacu), a reabertura pode beneficiar os dissidentes. "Pode contribuir muitíssimo para a nossa luta pacífica a favor do respeito dos direitos humanos e para a chegada de uma verdadeira democracia em Cuba."

O ativista salientou que considera que, com este passo, se aprofunda o processo de normalização entre os dois países, mas espera que os americanos "não se esqueçam que devem ouvir todos os setores da sociedade civil".

Cuba e EUA inauguraram uma nova etapa na história comum com o restabelecimento de suas relações diplomáticas e a reabertura de suas embaixadas, parte do histórico degelo anunciado em 17 de dezembro de 2014 pelos presidentes Barack Obama e Raúl Castro. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.