Dissidentes cubanos exigem status de asilados

Os dissidentes cubanos libertados pelo governo de Raúl Castro e recebidos na terça-feira pela Espanha convocaram a imprensa ontem, em Madri, para reivindicar o status de asilados políticos, e não o de imigrantes. A diferença é determinante para o futuro do grupo, que teria direitos especiais de abrigo e de renda, além de terem reconhecidas suas condições de perseguidos políticos em Cuba, e não de simples expatriados.

AE, Agência Estado

16 de julho de 2010 | 09h06

A entrevista foi convocada às pressas no mesmo dia em que outros dois ex-presos políticos, Luis Milán e Mijail Bárzaga, chegaram ao país, somando-se aos nove que desembarcaram nos últimos dois dias. Todos são parte dos 52 dissidentes que Havana decidiu libertar após um acordo fechado com a Igreja Católica e a Espanha.

De acordo com os líderes do movimento, o grupo - que ontem somava mais de 50 pessoas, entre ex-detentos e familiares - estaria entrando na legislação espanhola como "imigrante", quando essa não é sua condição. "Estamos em um limbo jurídico. Não somos livres, somos asilados políticos", disse o jornalista Julio Cesar Gálvez.

O ministro das Relações Exteriores espanhol, Miguel Ángel Moratinos, afirma que a opção pelo status de imigrante permite que os dissidentes possam, eventualmente, negociar o retorno a Cuba no futuro. Essa posição, porém, mudou ontem, quando o governo da Espanha entrou em contato com os líderes do grupo e ofereceu a abertura de pedidos de asilo. A insegurança levou os dissidentes a convocara a entrevista e pedir em público uma definição. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.