Dissidentes cubanos são presos em Bayamo

A blogueira dissidente cubana Yoani Sánchez foi detida nesta sexta-feira pela polícia de Cuba em Bayamo, junto ao seu marido Reinaldo Escobar, um jornalista, e a meia dúzia de outros dissidentes. A informação partiu de ativistas locais que usaram o twitter para informar as detenções. Nesta sexta-feira começou em Bayamo o julgamento do espanhol Angel Carromero. Bayamo fica 800 quilômetros ao leste de Havana e foi onde ocorreu um desastre rodoviário em 22 de julho no qual morreram os dissidentes cubanos Oswaldo Payá e Harold Cepero.

AE, Agência Estado

05 de outubro de 2012 | 18h09

Um blogueiro comunista favorável ao governo cubano, de apelido Yoandri, disse que Yoani Sáchez foi presa porque se deslocou a Bayamo, no leste de Cuba, para "prejudicar o processo contra Carromero e fazer uma provocação". O espanhol Carromero, militante do conservador Partido Popular (PP), foi detido e está sob julgamento nesta sexta-feira, acusado de ser o responsável pela morte dos dissidentes Osvaldo Payá e Harold Cepero. O espanhol dirigia o automóvel e é acusado do homicídio culposo (sem intenção de matar) de Payá e Cepero, uma vez que teria provocado o acidente por imprudência no volante. Yoandri disse que a blogueira "filo-americana" foi detida hoje. O governo cubano não comentou nada sobre as detenções.

A família de Payá contesta a versão oficial sobre a morte do dissidente e suspeita que ele foi assassinado. O ativista cubano Elizardo Sánchez (que não é parente da blogueira) disse nesta sexta-feira que Yoani e o marido "estão neste momento incomunicáveis, porque seus celulares estão sob poder da polícia secreta cubana".

Carromero enfrentou hoje as acusações no tribunal, que poderão significar uma sentença de até 10 anos de prisão se for condenado. O espanhol afirma que perdeu o controle da direção do carro, em um trecho não pavimentado de uma rodovia perto de Bayamo, e que o automóvel bateu contra uma árvore. Um sueco que estava no carro sobreviveu ao acidente com ferimentos leves e foi liberado.

O cônsul da Espanha, Tomas Rodríguez, se deslocou a Bayamo para assistir ao julgamento de Carromero. Ele acredita que o espanhol poderá ser absolvido, mas não quis fazer prognósticos. "Vamos ver como as coisas avançam. Estamos otimistas", afirmou.

A detenção de Yoani Sánchez foi condenada pela Anistia Internacional e por outros grupos de defesa dos direitos humanos, incluído o Comitê de Proteção aos Jornalistas e a Associação Interamericana de Imprensa.

O governo dos Estados Unidos, adversário do governo cubano, condenou as detenções. "Estamos profundamente preocupados pelo uso contínuo, da parte do governo cubano, do uso arbitrário das detenções para silenciar os críticos, impedir reuniões pacíficas e impedir que o livre jornalismo seja exercido", disse o Departamento de Estado norte-americano.

O jornal espanhol El País, no qual a blogueira dissidente tem uma coluna, afirma que ela viajou a Bayamo para cobrir o julgamento de Carromero e não para realizar qualquer atividade política de protesto.

As informações são da Associated Press e da agência Ansa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.