Dissidentes liberais participam de eleição iraniana

Dissidentes puderam participar das eleições municipais iranianas pela primeira vez em duas décadas, numa votação que, muitos acreditam, irá refletir a frustração popular com a timidez das reformas implementadas pelo governo. As urnas se fecharam hoje, depois de uma prorrogação de seis horas, para permitir que mais pessoas votassem. O ministro interino do Interior, Morteza Mabaleq, disse à agência de notícias estatal que cerca de 70% dos 41 milhões de iranianos com direito a voto compareceram. A apuração deve terminar no domingo.Mais cedo, o líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, avisou que revogaria o mandato de qualquer candidato que tenha disputado o pleito contra as regras estabelecidas, informou a TV estatal Teerã. ?Recebi informes de que há deficiências na verificação das qualificações? de candidatos, disse. Muitos iranianos estão desencantados com a falta de reformas políticas, econômicas e sociais por parte do governo pró-mudanças do presidente Mohammad Khatami, cujas políticas reformistas vêm sendo contidas por grupos ligados a Khamenei.Os dissidentes liberais, que passaram 20 anos à margem do processo eleitoral, foram acusados de tentar derrubar o sistema islâmico.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.