Distúrbios antipolícia se espalham na Grécia

Jovens anarquistas destroem lojas e incendeiam carros e árvore de Natal

AP, Reuters e NYT, O Estadao de S.Paulo

09 de dezembro de 2008 | 00h00

Os confrontos entre policiais e manifestantes continuaram ontem pelo terceiro dia consecutivo em pelo menos dez cidades da Grécia. Revoltados com a morte de um jovem de 15 anos no sábado, em Atenas, milhares de estudantes marcharam ontem pelas ruas do centro da capital, destruindo lojas, incendiando carros e até uma gigantesca árvore de Natal na frente do Parlamento. Veja galeria de fotosGritando palavras de ordem como "Policiais! Porcos! Assassinos!", os jovens anarquistas atacaram a polícia com pedras e blocos de concreto. A polícia usou gás lacrimogêneo e o ar da capital grega - também contaminado pelo cheiro de pneus e lixo em chamas - foi tomado por uma fumaça tóxica. Além dos violentos protestos em Atenas, manifestantes também entraram em choque com a polícia em Tessalonica e Creta. Protestos de gregos que moram no exterior também ocorreram em Londres e Berlim.As manifestações, consideradas as piores na Grécia em décadas, tendem a se prolongar e ameaçam o governo conservador, dizem analistas. Até ontem, 130 lojas haviam sido destruídas e pelo menos 35 pessoas, detidas. O número de feridos é de aproximadamente 50 em todo o país. "Alguém terá de nos dizer quem pagará por todo o dano causado", afirmou Panayis Karellas,presidente da Associação dos Comerciantes de Atenas. O primeiro-ministro grego, Costa Karamanlis, pediu calma e afirmou que o governo tentará recompensar o prejuízo dos comerciantes. "Não vamos tolerar os eventos inaceitáveis e perigosos inspirados por um incidente trágico", disse Karamanlis, referindo-se ao assassinato de Alexandros Grigoropoulos, de 15 anos. "O Estado protegerá a sociedade." Cerca de 45 mil policiais estão de prontidão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.