Divisão de Kosovo só acontece se a Sérvia aceitar, diz Moscou

A Rússia só vai aceitar a independênciada província sérvia de Kosovo se Belgrado concordar, disse nasexta-feira o ministro russo de Relações Exteriores, SergeiLavrov. "As negociações continuam com a mediação da ''troika''formada por Rússia, União Européia e Estados Unidos. O objetivoé ajudar ambas as partes (Sérvia e Kosovo) a alcançarem umacordo, e vamos apoiar qualquer coisa sobre a qual alcançaremum acordo", afirmou ele a jornalistas. "Mas o objetivo dos mediadores é ajudar as partes aalcançar um acordo, e não impor uma solução em particular",disse Lavrov. Kosovo, que é parte da Sérvia, mas tem populaçãomajoritariamente albanesa, está há oito anos sob administraçãoda ONU e da Otan. A Rússia, aliada da Sérvia, é contra o plano ocidental paraconceder a independência a Kosovo. A "troika" de mediadores foicriada depois que Moscou barrou os planos da ONU para aindependência da região. A declaração de Lavrov foi feita um dia depois das reuniõesiniciais da "troika", em separado, com sérvios e kosovares emViena. Em entrevista publicada na sexta-feira pelo jornal DerStandard, o representante da UE na "troika", WolfgangIschinger, disse que um acordo seria "mil vezes melhor do quequalquer solução unilateral." "Mas, realisticamente, as chances de alcançar isso depois etudo o que aconteceu são mínimas", afirmou. Os albaneses de Kosovo dizem que, se não houver acordo até10 de dezembro, vão declarar a independência unilateralmente. Os Estados europeus teriam então o dilema de reconhecer ounão o novo país. "Seria um desastre se deixássemos a questãodividir (a UE)," disse Ischinger. Em Prístina, capital de Kosovo, o primeiro-ministroregional Agim Ceku disse que ainda espera obter a independêncianeste ano. "Estamos prontos, na ausência de uma resolução doConselho de Segurança da ONU, a declarar independência e pediro reconhecimento da UE e dos Estados Unidos", declarou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.