Divulgação de documentos secretos causa renúncia de chefe antiterror britânico

Bob Quick foi fotografado com documentos secretos, o que fez a polícia adiantar caça a suspeitos.

BBC Brasil, BBC

09 de abril de 2009 | 08h15

O chefe das operações antiterrorismo da polícia britânica, Bob Quick, pediu demissão do cargo nesta quinta-feira, um dia depois de ter provocado um erro que resultou e uma grande operação de caça a suspeitos no país.

Na quarta-feira, Quick foi fotografado chegando a residência do primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, carregando documentos confidenciais que estavam à mostra. Neles se podia ler a palavra "secreto", endereços e detalhes de uma operação policial para prender os suspeitos, que estava originalmente marcada para ocorrer na madrugada desta quinta-feira.

Entretanto, temendo que os suspeitos pudessem saber dos detalhes e fugir, a polícia resolveu adiantar a operação, realizando várias incursões nas cidades de Liverpool e Manchester na tarde da quarta-feira.

Pelo menos 12 homens foram presos.

'Vidas em risco'

Quick disse "lamentar profundamente" o incômodo provocado a seus colegas, mas agradeceu o fato de eles terem respondido prontamente.

"Apresentei minha demissão sabendo que meus atos poderiam ter prejudicado uma importante operação antiterrorismo", afirmou Quick em um comunicado.

A ministra do Interior Jacqui Smith reconheceu o sucesso da operação e elogiou o trabalho do comissário na função que exercia.

Analistas, no entanto, criticaram o fato de as incursões terem sido realizadas no meio da tarde, o que "colocou várias vidas em risco".

Algumas das prisões foram realizadas no campus de uma universidade, em pleno horário de aulas.

As buscas continuam em alguns endereços no noroeste da Inglaterra.

Dez dos presos nasceram no Paquistão e estão na Grã-Bretanha com visto de estudante. Outro detido nasceu na Grã-Bretanha e tem nacionalidade britânica.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.