DNA inocenta homem depois de 22 anos na prisão

Um homem que ficou 22 anos preso por estupro foi posto em liberdade depois de sua inocência ter sido comprovada graças a um teste de DNA. Wilton A. Dedge, de 42 anos, saiu da penitenciária do condado de Brevard, na Flórida, acompanhado de seus pais. Em 2001, a Assembléia Legislativa da Flórida aprovou uma lei que permite o uso do DNA como prova de casos penais antigos. "As provas de DNA funcionaram", disse o promotor público Norm Wolfinger. "Acredito em nosso sistema de Justiça, embora seja imperfeito".Em dois julgamentos, a vítima identificou Dedge como o homem que a atacou com uma faca e a estuprou duas vezes em 1981. Inicialmente, ela havia descrito seu atacante como um homem de 1,80 m de altura e com cerca de 80 quilos. À época, Dedge, com 1,67 metro, pesava 57 quilos. Mesmo assim, foi considerado culpado e sentenciado à prisão perpétua nos dois julgamentos. O promotor relatou que a vítima sentiu-se "devastada" diante da evidência de que Dedge era inocente.

Agencia Estado,

12 de agosto de 2004 | 17h06

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.