DNA quadruplica solução de crimes na Grã-Bretanha

O número de crimes solucionados na Grã-Bretanha com o uso de testes de DNA quadruplicou nos últimos cinco anos. Só no em 2005, a análise genética ajudou a resolver quase 40 mil casos. Desde 1987 o país utiliza os testes de DNA nas investigações policiais - técnica que também é usada em outros países, inclusive pela Polícia Federal, no Brasil. Mas, no caso da Grã-Bretanha, a diferença é que o país mantém um generoso banco de dados de DNA. O estoque reúne 3 milhões de amostras. As amostras coletadas na cena do crime são comparadas com as de possíveis suspeitos mantidas nesse banco de dados. O uso de testes de DNA na Grã-Bretanha foi crucial para colocar na cadeia criminosos como Antoni Imiale, que estuprou nove vítimas entre 2001 e 2002, e Brian Field, que, na década de 60, estrangulou Roy Tutill, um estudante de 14 anos de idade. O garoto era colega do advogado Guilherme Brafman, um brasileiro que mora na Grã-Bretanha desde os sete anos.Ele conta que o menino pegou uma carona com um desconhecido ao sair da escola e acabou sendo morto. O assassino foi descoberto recentemente.?Muitos casos estão agora sendo revistos e quem havia sido inocentado, por erro nas investigações, agora está indo para a cadeia?, diz Brian Mackenzie, um ex-superintendente policial britânico.?Matematicamente, o teste de DNA pode ser uma ferramenta de investigação judicial infalível. Mas o problema é que no processo de investigação tem um ponto fraco: pode ocorrer um erro humano na coleta das amostras ou até mesmo a manipulação de provas?, diz o ativista de direitos humanos, Simon Davies.Nos últimos cinco anos, o governo britânico investiu no banco de dados de DNA o equivalente a mais de R$ 1 bilhão. Para dar mais agilidade às investigações, as autoridades também estão testando agora um laboratório móvel que pode ir até a cena do crime.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.