Do dólar à internet

Em 1993, Fidel Castro viu-se encurralado pela crise econômica e aceitou que o dólar circulasse em território cubano. Até aquele momento, a posse de divisas estrangeiras podia dar vários anos de prisão. A "moeda do inimigo" chegou para ficar, apesar de anos depois ser substituída pelo peso conversível. Um dos pontos mais surpreendentes do decreto que autorizou a dualidade monetária eram as justificativas dadas para a autorização. Segundo a Gaceta Oficial, a medida "contribui positivamente para diminuir o número de fatos caracterizados como passíveis de punição, o que aliviará e favorecerá o trabalho da polícia e dos tribunais de justiça".

Yoani Sánchez, O Estado de S.Paulo

16 Junho 2013 | 02h02

Ou seja, para poupar o trabalho de policiais e juízes, o governo autorizou a posse de dólares. Contudo, o ponto principal foi a data escolhida para a nova lei entrar em vigor: 13 de agosto, dia de aniversário do líder máximo. Passaram-se duas décadas e a sociedade cubana continua torturada pela esquizofrenia monetária. Fidel já não é presidente, mas parece que seu irmão também é dado a combinar flexibilizações legais com o calendário familiar. Dia 3, ele comemorou não apenas seus 82 anos, mas pôs fim ao controle excessivo do acesso à internet. Poucas horas antes de terminar esse dia, foram abertas 118 salas de navegação com conexão pública à internet.

Um presente de aniversário meio amargo para o general que retardou o máximo possível a transformação dos cubanos em internautas. Com muita probabilidade, esse pequeno passo com vistas à flexibilização informática também será uma medida sem volta, como ocorreu com o dólar. Começaram a funcionar os novos locais públicos com serviço de internet e intranet. Ao preço de 4,50 pesos conversíveis (CUC), em torno de 3,50, os usuários dispõem de uma hora de acesso ao ciberespaço. É possível também optar por uma navegação na intranet nacional pelo preço de o,60 CUC, ou utilizar somente o correio eletrônico local por 1,50 CUC a hora. Em vários testes, não foi detectada nenhuma página censurada por motivos políticos. Com uma velocidade mínima de conexão de 512 Kbps, a interface que acolhe o usuário ao ligar o computador leva o nome de Nauta. Mesmo que todos os programas instalados rodem no Microsoft Windows.

No primeiro dia de abertura dos novos locais de internet, era possível acessar portais como El Nuevo Herald, website de notícias no estilo do Diario de Cuba, e vários blogs críticos do governo produzidos dentro da ilha. O custo elevado do serviço num país em que o salário mensal médio está em torno de 17 é um fator restritivo fundamental. Isso contradiz o vice-ministro das Comunicações, que declarou recentemente que "não será o mercado que regulará o acesso ao conhecimento em nosso país". Até o momento, aqueles que possuem moeda forte - autorizada a circular pelo presidente anterior - conseguem pagar pelo acesso a redes sociais, websites de classificados e a cobiçadas bolsas de emprego ou de estudo para tentar emigrar.

Curiosamente, a descriminalização do dólar e essa tímida abertura para a internet foram fruto mais da pressão do que do desejo de abertura do governo. Permitir a posse de dólares pelos cubanos foi uma decisão tomada diante das evidências de que, no mercado informal, as chamadas "verdes" circulavam cada vez com mais força no final dos anos 80 e início dos 90.

Disputa. Uma situação similar ocorre hoje com a informação que circula na rede mundial. As conexões piratas da internet e o avanço das redes clandestinas de distribuição de audiovisuais confirmam a inutilidade de estabelecer limites para os kilobytes. Os primeiros usuários das salas ficaram surpresos com a velocidade da conexão, mas lamentaram o valor cobrado. Vários jornalistas oficiais giravam em torno das mesas no bairro de Vedado tentando captar a reação instantânea das pessoas lançando-se em massa sobre os teclados.

Por outro lado, alguns poucos e cautelosos clientes sondavam os limites do novo serviço. As pessoas necessitam mostrar seu documento de identidade e assinar um contrato antes de sentar-se diante da tela do computador. No contrato está estabelecido que o serviço não pode ser usado "para ações que possam ser consideradas daninhas ou prejudiciais para a segurança pública". Uma espada de Dâmocles que poderia ser interpretada também com base em considerações políticas e ideológicas. De aniversário em aniversário, assim vão ocorrendo as mudanças em Cuba. Há vinte anos, foi o dólar. Hoje, a internet. / TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO  

 

* É jornalista cubana e autora do blog Geración Y

Mais conteúdo sobre:
Yoani Sánchez

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.