Do total de mortes por fumo, as mulheres já são 39%

De todas as mortes atribuídasao vício de fumar, 39% são de mulheres - um propporção que vemcrescendo continuamente desde 1965. Mesmo assim, aumentou o número das adolescentes quefumam, e o aumento das campanhas de promoção da indústria dotabaco ameaça neutralizar os progressos recentes na luta contrao cigarro, afirmou o secretário da Saúde dos EUA, David Satcher,em um informe divulgado hoje. "Estamos perdendo prematuramente um número muito grandede mães e filhas em conseqüência do cigarro", acrescenta osecretário de Serviços Sociais Tommy Thompson, na abertura doinforme. O governo federal dos EUA intensificou sua luta contra otabagismo entre as mulheres. O relatório cita como exemplo decombate eficaz um programa da Califórnia que reduziu aincidência de câncer pulmonar entre as mulheres apesar de seucrescimento em outras regiões do país e outro da Flórida, quereduziu em 40% o índice de tabagismo entre as estudantessecundárias em apenas dois anos. O tabagismo é a principal causa de mortes evitáveis eceifa mais de 400.000 vidas por ano, diz o governo federal. Ovício já matou quase 3 milhões de mulheres desde que asecretaria (ministério) da Saúde investigou pela última vez otabagismo entre as mulheres em 1980, diz o novo informe. O cigarro pode reduzir a vida das mulheres em uma médiade 14 anos, e sua conseqüência mais devastadora é o câncer depulmão. Esse tipo de câncer era pouco freqüente nasrepresentantes do sexo femininno e agora é o que causa maiornúmero de vítimas entre elas, com 27.000 mortes a mais, por ano,do que o câncer de mama. O tabagismo também causa muitas outras variações decâncer, doenças cardíacas e outras deficiências pulmonares tantonas mulheres como nos homens. Mas as mulheres enfrentam riscos adicionais únicos,afirma a secretaria da Saúde: perigosos coágulos sanguíneos nasque usam anticoncepcionais, irregularidades menstruais emenopausa antecipada, infertilidade, osteoporose e câncercervical. A tudo isto se acrescentam os perigos do cigarrodurante a gravidez. Uma entre cada cinco mulheres fumam - uma porcentagemque não teve grande variação na última década. Em uma pesquisafeita no ano passado, 30% das estudantes secundárias disseramter fumado no mês anterior à consulta, diz o informe. Os estudos revelam que os anúncios de cigarro influem nadecisão do público de fumar. E as indústrias do tabacofocalizaram sua publicidade particularmente nas mulheres.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.