BBC
BBC

Doador de sêmen passa grave doença genética para cinco crianças

Homem teria doado material genético em vários países; Dinamarca endurece regras após caso

BBC Brasil, BBC

26 de setembro de 2012 | 09h24

Um dinamarquês transmitiu uma grave e rara doença genética a cinco crianças após doar sêmen a uma clínica de fertilização. Um inquérito apontou que os exames não detectaram o problema no sêmen do doador e que a instituição não tomou providências mesmo após a primeira criança ser diagnosticada com a mutação.

Apesar do problema, o "doador 7042", como está sendo chamado, teve seu sêmen usado por 43 mulheres que engravidaram e permaneceu recebendo autorização para doar o material apesar de a lei da Dinamarca limitar esse número a 25.

Em meio à polêmica, o governo dinamarquês decidiu reduzir ainda mais o número de doações permitidas ao suficiente para apenas 12 inseminações artificiais. A nova regra entra em vigor a partir do dia 1º de outubro.

O diretor da clínica Nordisk Cryobank, Peter Bower, disse à agência de notícias France Presse que o banco de sêmen estava ciente de que os cinco bebês haviam nascido com a neurofibromatose do tipo 1 (NF1).

Mas ele adiantou que o homem já teria doado seu sêmen antes, em um período anterior a outubro de 2008, em países dentro e fora da Europa.

Bower respondeu às críticas dizendo dizendo que não parou de usar o sêmen do doador imediatamente porque não era possível ter certeza de que o doador era o responsável pela transmissão do problema.

O sêmen "contaminado" foi usado por 14 clínicas de fertilização, informou a emissora estatal dinamarquesa DR.

Choque e críticas. A mãe de uma das crianças afetadas, Mia Levring, condenou as ações da clínica dizendo estar "abalada e chocada".

Sonja Petersen, mãe de outra criança que contraiu a mutação, também criticou a postura da instituição diante da dúvida a respeito de o doador poder gerar bebês com problemas de saúde.

"Nós estamos lidando com muitas crianças, mas há também o aspecto econômico. Eles ganham bastante dinheiro fazendo isso. E deve haver a responsabilidade de garantir que o produto -por assim dizer- está apto a ser usado".

Para a chefe da Autoridade de Medicamentos e Saúde da Dinamarca, Anne-Marie Vangsted, o banco de sêmen falhou ao não retirar de circulação o material contaminado logo após o diagnóstico da primeira criança.

A NF1 é causada por uma mutação genética e 50% dos casos são transmitidos de pais para filhos, embora a outra metade possa desenvolver o problema sozinha.

A doença pode produzir uma série de sintomas, desde pigmentação irregular da pele até sérios tumores benignos que podem transformar-se em tumores cancerígenos.

O problema pode causar ainda dificuldades de aprendizado, de visão e deformações da coluna. Não há tratamento, mas alguns sintomas podem ser controlados.

 

BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.