Doca de 165 toneladas arrancada por tsunami é achada nos EUA

Pedaço de cais de porto pesqueiro japonês foi rompido por tempestade tropical em 2010 e percorreu 8.050 quilômetros

BBC Brasil, BBC

07 de junho de 2012 | 05h24

Um doca de 20 metros de extensão e pesando 165 toneladas, rompida pelo tsunami do ano passado no Japão, foi encontrada no Estado americano de Oregon.

A doca atravessou uma distância de 8.050 quilômetros no Oceano Pacífico até ser avistada na praia de Agate, ao sudoeste da cidade de Portland.

A doca continha uma placa comemorativa que mostrou que ela vinha do porto pesqueiro de Misawa.

Testes de radiação se mostraram negativos, mas cientistas afirmam que espécies estranhas à região podem ter pegado ''carona'' junto com a doca.

Uma estrela do mar natural do Japão estava entre as espécies marinhas que ainda se agarravam à estrutura.

Docas desaparecidas

A polícia de Oregon foi convocada para impedir que pessoas subam na doca, que foi, em princípio, tomada por moradores como sendo uma embarcação.

Misawa perdeu quatro docas no terremoto seguido de tsunami que atingiu o Japão em 11 de março de 2011. Duas das docas permanecem desaparecidas.

Em abril, a Guarda Costeira dos Estados Unidos usou um canhão para afundar um navio não-tripulado japonês encontrado à deriva em águas do Estado do Alasca após ter sido deslocado cerca de 6.400 quilômetros em consequência do tsunami.

Cientistas japoneses estimam que cerca de 20 milhões de toneladas de detritos foram gerados pelo terremoto e pelo forte fluxo de água gerado pelo fenômeno.

A maior parte desses detritos podem ter permanecido em terra, mas uma boa quantidade de destroços que foram arrastados para o mar teriam afundado no fundo do oceano. Mas é possível que 1 milhão de detritos ainda estejam à deriva.

Cerca de 16 mil pessoas foram mortas pelo terremoto e pelo tsunami no Japão em 2011. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
japãotsunamidocaoregon

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.