Documentário Kirchnerista chega às telas

Ex-presidente Néstor Kirchner é personagem principal de filme que estreará em 120 salas

O Estado de S.Paulo

30 de outubro de 2012 | 02h02

O ex-presidente da Argentina Néstor Kirchner é a estrela do documentário póstumo Néstor Kirchner, cuja pré-estreia está marcada para dia 17, no Stadium Luna Park, no centro de Buenos Aires. A nata do kirchnerismo estará presente no lançamento do filme, um longa-metragem. No entanto, a presidente Cristina Kirchner, a viúva, não deverá comparecer por "questões emocionais".

A estreia para o público, em 120 cinemas, está prevista para ocorrer no dia 22. Poucos filmes argentinos tiveram sua première programada em tantas salas.

O financiamento do documentário estava originalmente previsto para vir de contribuições populares. No entanto, a obra foi realizada com fundos dos governos provinciais e de empreiteiras com laços de amizade com o casal Kirchner, além de contribuições do próprio Partido Justicialista (Peronista).

O trailer do filme - que omite denúncias de corrupção envolvendo o ex-presidente - começou a ser exibido no fim de semana, durante os intervalos das transmissões estatizadas dos jogos de futebol.

O longa foi dirigido pelo uruguaio Adrián Caetano, a pedido do governo Kirchner. Sua edição, porém, não foi considerada suficientemente "kirchnerista" pela Casa Rosada. Além disso, o governo não aprovou o nome que Caetano queria colocar: El Pinguino Loco (O Pinguim Louco), em referência às maneiras desajeitadas do ex-presidente.

O uruguaio foi retirado da produção e substituído pela diretora argentina Patricia Luque. Considerada uma cineasta de comprovada fidelidade kirchnerista, Patricia é ex-mulher do atual secretário da Cultura, Jorge Cossia.

Dia e lugar. A pré-estreia de Néstor Kirchner ocorrerá em uma data de forte apelo simbólico na Argentina, o Dia da Lealdade, que celebra o 17 de novembro de 1972, quando Juan Domingo Perón fez sua primeira visita ao país após 17 anos de exílio. Além disso, o lugar da exibição do longa, o Luna Park, tem a carga mítica de ter sido o cenário onde Evita conheceu Perón, dando início ao romance e à parceria política mais famosa da história argentina. / A.P.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.