Nicholas Kamm/AFP
Nicholas Kamm/AFP

Documento do Mercosul sobre Venezuela não é ultimato, diz Aloysio Nunes

Ministro brasileiro das Relações Exteriores afirmou que texto ‘é um apelo para que haja uma negociação séria mediante a suspensão das visões arbitrárias’ do processo constituinte

Carla Araújo, enviada especial / Mendoza, Argentina, O Estado de S.Paulo

21 Julho 2017 | 11h24

MENDOZA, ARGENTINA - O ministro brasileiro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, afirmou que o documento que será assinado pelos presidentes dos países-membros do Mercosul sobre a Venezuela ainda será debatido nas reuniões que ocorrerão nesta sexta-feira, 21, e a ideia não é dar um ultimato ao país.

"Não há ultimato. É um apelo para que haja uma negociação séria mediante a suspensão das visões arbitrárias” do processo constituinte, afirmou o ministro na saída do hotel junto à comitiva do presidente Michel Temer para participar da 50.ª Reunião de Cúpula do Mercosul.

Segundo Aloysio Nunes, a expectativa é que se dê continuidade à reunião de abril, quando se constatou a quebra da ordem democrática na Venezuela.

O Mercosul iniciou a aplicação ao país do Protocolo de Ushuaia em abril, numa reunião de chanceleres ocorrida na Argentina logo após a Corte Suprema assumir os poderes da Assembleia Nacional. No encontro, ficou determinado que seria dado o passo seguinte: fazer consultas à Venezuela. No entanto, elas não ocorreram.

O Brasil passa a ocupar nesta sexta-feira por seis meses a presidência do Mercosul e pretende agilizar os preparativos para aplicar a cláusula democrática contra a Venezuela diante do avanço da proposta de realização da Assembleia Constituinte, da dura repressão às manifestações convocadas pela oposição e do crescimento do número de políticos presos.

A Venezuela está com seus direitos de sócia do Mercosul suspensos desde dezembro porque não adotou normas básicas do bloco, como a Tarifa Externa Comum (TEC) em suas importações, por exemplo. Neste caso, a motivação foi principalmente econômica.

Os presidentes dos países-membros do Mercosul assinarão, ao final da 50.ª Cúpula do Mercosul, um documento no qual questionarão a situação na Venezuela. O texto será firmado pelos presidentes Mauricio Macri, da Argentina; Michel Temer, do Brasil; Horacio Cartes, do Paraguai; e Tabaré Vázquez, do Uruguai. A Venezuela está suspensa do Mercosul desde dezembro de 2016.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.