Documento final do G-8 destaca Iraque, Irã e Coréia

Os líderes do G-8 encerraram seu encontro anual nesta terça-feira com um apelo para reconstrução do Iraque e de combate à ameaça provocada pelas armas nucleares no Irã e na Coréia do Norte. A declaração, de quatro páginas, diz que os líderes do G-8 "partilham da convicção de que o momento é de construção da paz e de reconstrução do Iraque". "Partilhamos do objetivo de um Iraque totalmente soberano, estável e democrático", diz a declaração apresentada pelo presidente francês Jacques Chirac, anfitrião da cúpula, durante o encerramento da conferência. Os líderes enviaram mensagem ao Irã e à Coréia do Norte de que não permitirão que ambos adquiram armas nucleares, embora haja diferenças entre os EUA e outros países do grupo sobre a proporção da pressão que deva ser exercida sobre o Irã. Um membro da delegação norte-americana disse que os EUA entendem que a declaração oferece implicitamente autorização para o uso da força contra países que violem as normas internacionais de não-proliferação nuclear. Chirac considerou tal leitura uma interpretação muito pesada. Uma autoridade da delegação russa disse que houve consenso entre líderes durante as discussões sobre o Irã que o país "deve remover qualquer dúvida sobre seu comprometimento com o Tratado de Não-Proliferação Nuclear até 16 de junho, próximo encontro do conselho da Agência Internacional de Energia Atômica.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.