Documento revela como Al-Qaeda testava segurança em vôos

Dois integrantes da Al-Qaeda contrabandearam explosivos para dentro de vôos que partiriam de Manila e Hong Kong, em 1994, como parte de um plano fracassado da rede terrorista para explodir 12 aviões americanos, de acordo com um documento confidencial obtido pela agência Associated Press.O documento mostra como a Al-Qaeda testava a segurança dos vôos americanos, na Ásia, e detalha uma das ações assumidas pelo paquistanês Khalid Sheikh Mohammed, que afirmou ter sido o mentor dos ataques de 11 de Setembro. "Eu fui responsável pelo planejamento e pelas investigações necessárias para executar a Operação Bojinka, que tinha o objetivo de derrubar 12 aviões americanos cheios de passageiros", informou Mohammed, acrescentando que chegou a monitorar um vôo de Manila a Seul, com a ajuda de seu sobrinho, Yousef.O Departamento de Defesa dos EUA divulgou na quarta-feira, 14, a transcrição de um depoimento prestado por Mohammed na prisão de Guantánamo, em Cuba. Na ocasião, o integrante da Al-Qaeda teria assumido a autoria total ou parcial de 31 planos terroristas em todo o mundo.Documento confidencialO documento confidencial sobre o interrogatório de Mohammed foi compartilhado pelos EUA com autoridades das Filipinas e forneceu detalhes de seus planos para contrabandear explosivos para dentro de um vôo de Manila a Seul.Ele explica também como o sobrinho de Mohammed conduziu o mesmo teste em um vôo de Hong Kong a Taipei, em 1994. A Associated Press obteve uma cópia do documento sobre o interrogatório realizado em abril de 2003, enquanto o paquistanês estava sob a custódia dos EUA.De acordo com o texto, Mohammed admitiu ter embarcado em um dos vôos portando uma bagagem de mão que continha nitrometano concentrado. O explosivo estaria, segundo ele, armazenado em 13 garrafas de solução para lentes de contato.Mohammed disse ainda que Yousef também chegou a embarcar com uma dessas garrafas no vôo que partiria de Hong Kong. O paquistanês informou que os explosivos utilizados nos testes eram comprados nas Filipinas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.