Documentos apontam que hotel seria alvo de terroristas na Indonésia

A polícia indonésia disse nesta quarta-feira que documentos encontrados no mês passado apontavam planos terroristas para atacar alguns locais do país, inclusive a região do Hotel Marriott, em Jacarta, na Indonésia, onde um carro-bomba matou 14 pessoas e feriu 150 na manhã desta terça. Segundo a polícia, os documentos foram apreendidos em Semarang, na ilha de Java, onde quatro supostos membros do grupo Jemaah Islamiya foram detidos. Desde então, a segurança nos possíveis alvos do grupo extremista foi aumentada. As autoridades informaram ainda que no carro-bomba utilizado ontem foram encontrados explosivos com pólvora e trinitrotolueno, o mesmo material utilizado nos atentados de Bali em outubro do ano passado, onde 202 pessoas morreram.Segundo o jornal Straits Times, de Cingapura, o Jemaah Islamiya, acusado de ter ligação com a rede terrorista Al-Qaeda e ter patrocinado o atentado a Bali, se responsabilizou pelo atentado ao hotel. Na edição de hoje, um membro do grupo extremista afirma que ?a campanha de terror vai continuar se algum de seus irmãos muçulmanos for executado?.Nesta quinta-feira, Amrozi bin Nurhasyim, membro da Jemaah Islamiya, deverá ouvir o veredicto sobre sua participação no atentado a Bali. Ele poderá ser condenado à morte.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.