Javier Galeano/AP
Javier Galeano/AP

Documentos da CIA revelam duas tentativas de assassinar Fidel e Raúl Castro

Planos da agência de inteligência americana envolviam simulação de acidente em voo entre Praga e Havana e envenenamento

Redação, O Estado de S.Paulo

16 de abril de 2021 | 21h28

WASHINGTON - A CIA planejou, sem sucesso, dois complôs para assassinar os líderes cubanos e irmãos Fidel e Raúl Castro nos anos 60, de acordo com documentos desclassificados que foram divulgados nesta sexta-feira, 16, pela ONG americana National Security Archive.

Por ocasião do 8º Congresso do Partido Comunista de Cuba (PCC), que marca a aposentadoria política de Raúl Castro, a ONG divulgou documentos sobre um complô para simular um acidente em um voo entre Praga e Havana e outro ligado à invasão da Baía dos Porcos, em 1961.

Os seis documentos divulgados, que incluem memorandos e telegramas, mostram as providências tomadas por funcionários da agência de inteligência, que incluíram a oferta de um pagamento de "US$ 10 mil (aproximadamente R$ 50 mil) ou uma quantia razoável superior a esse valor" para "incorrer no risco de encenar um acidente aéreo".

O chefe da CIA em Cuba em 1960, William J. Murray, discutiu esse plano com o piloto cubano José Raúl Martínez, que trabalhava para a companhia aérea Cubana Airlines, que foi contratada para um voo para Praga, realizado em 21 de julho de 1960, e que em seu retorno a Havana traria Raúl Castro e outros membros do partido comunista.

"O piloto, que a CIA havia recrutado anteriormente como um ativo de inteligência em Cuba, 'pediu garantias de que no caso de sua (própria) morte, os Estados Unidos cuidariam para que seus dois filhos recebessem uma educação universitária'", disse a ONG.

A trama nunca foi executada porque o piloto "não teve oportunidade de organizar um acidente" durante o voo.

Os envolvidos haviam considerado a possibilidade de simular um superaquecimento do motor em terra ou um pouso "a umas três horas de Cuba". Murray havia recebido anteriormente uma contra-ordem sobrepondo-se à trama, embora ele não tivesse tido oportunidade de se comunicar com o piloto.

Outra tentativa, desta vez para assassinar Fidel Castro, começou a nascer semanas após o complô contra Raúl Castro, ainda segundo a ONG.

Em agosto de 1960, o diretor de operações secretas da CIA Richard Bissell autorizou "uma missão sensível" que exigia uma ação de gangue para matar Fidel Castro e "aumentar as chances de sucesso do programa contrarrevolucionário da CIA para derrubar seu regime".

Para a operação, a Divisão de Serviços Técnicos da CIA "desenvolveu uma pílula que tinha os elementos de solubilidade rápida, alto conteúdo letal e pouca ou nenhuma rastreabilidade". Foram produzidas seis unidades que seriam dadas a Fidel misturadas com algum alimento ou bebida.

A trama, que não se concretizou, "foi cancelada logo após o episódio da Baía dos Porcos".

A invasão da Baía dos Porcos, que ocorreu de 15 a 19 de abril de 1961, envolveu cubanos treinados e financiados pelos Estados Unidos para derrubar Castro, mas acabou fracassando.

Peter Kornbluh, que dirige o projeto Cuba da National Security Archive, afirmou que, "assim como a derrota dos invasores liderados pela CIA na Baía dos Porcos marcou uma virada histórica para a jovem revolução", o "início oficial da era pós-Castro marca um importante ponto de inflexão para o futuro de Cuba". /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.