Doenças de enchentes ameaçam 3,5 milhões de crianças no Paquistão, diz ONU

Pelo menos 6 milhões foram afetadas por cheias; Diarreia, disenteria e cólera preocupam.

BBC Brasil, BBC

16 de agosto de 2010 | 13h36

A ONU alertou nesta segunda-feira que até 3,5 milhões de crianças paquistanesas que sobreviveram às enchentes no país correm agora o risco de contrair doenças associadas às águas, como diarreia, disenteria e cólera.

A estimativa, baseada em cálculos do Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância), foi revelada à BBC Brasil por Stacey Winston, representante do escritório da ONU para a coordenação de assuntos humanitários da ONU em Islamabad.

Segundo o Unicef, pelo menos seis milhões de crianças foram afetadas pelas inundações.

Na quarta-feira, a ONU fez um apelo por doações de US$ 459 milhões para ajuda de emergência ao Paquistão, mas avisou que, em longo prazo, serão necessários bilhões.

De acordo com a entidade, a capacidade de distribuir mais água potável às crianças vulneráveis teria impacto imediato no salvamento de suas vidas, mas, até agora, a organização recebeu apenas US$ 19 milhões.

Cólera

A OMS (Organização Mundial de Saúde) já está se preparando para uma possível epidemia de cólera no país.

No fim de semana, a ONU confirmou ter identificado o primeiro caso da doença, embora o governo paquistanês não tenha notificado a entidade sobre casos confirmados.

O ministro das Relações Exteriores do Paquistão, Shah Mahmood Qureshi, disse que se o país não receber mais ajuda, milhões de pessoas poderão passar fome e grupos extremistas tentarão tirar vantagem do crescente desespero dos sobreviventes.

Mais de duas semanas após o início das inundações, muitos paquistaneses estão frustrados pela lentidão na resposta das autoridades.

Na província de Sindh, no sul do país, a população bloqueou uma rua para protestar contra a demora na chegada da ajuda.

Mais ao oeste, na província do Baluquistão, cidades foram inundadas devido a uma decisão do governo de desviar águas da inundação trazidas pelo rio Indo para longe de Jacobabad - uma cidade importante no noroeste de Sindh - e de uma base da Força Aérea paquistanesa na região.

Segundo o governo paquistanês, cerca de 20 milhões de pessoas foram afetadas pelas inundações e pelo menos 1,5 mil morreram.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, visitou o Paquistão e afirmou, no fim de semana, que a inundação no país é o pior desastre que já viu. Segundo ele, 20% do país está sob as águas.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.