Dois africanos são executados por narcotráfico em Cingapura

Dois africanos condenados à pena de morte por narcotráfico foram executados nesta sexta-feira em Cingapura depois deas autoridades rejeitarem os pedidos de clemência da ONU, do presidente nigeriano, Olusegun Obasanjo, e de várias organizações de defesa dos direitos humanos.O nigeriano Iwuchukwu Amara Tochi, de 21 anos, e o apátrida Okeke Nelson Malachy, de 35, foram enforcados na prisão de Changi, segundo um comunicado emitido pela Agência Central Antinarcóticos.Tochi foi detido em novembro de 2004 no aeroporto de Changi com cerca de 730 gramas de heroína. Malachy foi condenado como cúmplice.A legislação penal de Cingapura, uma das mais duras e minuciosas do mundo na área de entorpecentes, prevê pena capital para os declarados culpados de possuir mais de 15 gramas de heroína ou outra droga das classificadas como "duras", ou mais de 500 gramas de maconha.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.