Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Dois arquitetos japoneses recebem o prêmio Pritzker

Os arquitetos japoneses Kazuyo Sejima e Ryue Nishizawa, uma dupla elogiada por usar materiais de construção ordinários para criar estruturas etéreas, conquistaram o Prêmio de Arquitetura Pritzker 2010, anunciado neste domingo pelo júri.

AE-AP, Agência Estado

28 de março de 2010 | 18h18

Sejima, de 54 anos, e Nishizawa, de 44, se juntaram a nomes como Frank Gehry, Rem Koolhaas e Renzo Piano, ao receberem a honra máxima no campo da arquitetura em reconhecimento aos museus de arte, edifícios universitários e butiques sofisticadas que desenharam no Japão, Europa e Estados Unidos.

"Queremos fazer uma arquitetura que as pessoas gostem de usar", disse Sejima, referindo-se as estruturas da dupla para praças públicas, onde os visitantes podem andar livremente em grupos ou encontrar nichos confortáveis para passar o tempo. "O júri, de alguma forma, apreciou nossa forma de fazer arquitetura."

O júri de arquitetos, acadêmicos, escritores e designers do Pritzker premiou Sejima e Nishizawa por desenharem estruturas que se misturam em seus arredores para proporcionar cenários despretensiosos para as atividades que ocorrem em seu meio. "Eles exploram como poucos as propriedade fenomenais do espaço contínuo, leveza, transparência e materialidade", escreveu o júri. "Eles buscam as qualidades essenciais da arquitetura, que resulta em uma simplicidade muito apreciada, economia de recursos e domínio".

Entre os projetos mencionados pelo júri do Pritzker estão o translúcido e esguio prédio da Christian Dior no luxuoso bairro de Omotesando em Tóquio (Japão) e o Pavilhão de Vidro do Museu de Artes de Toledo, Ohio (EUA).

O júri também mencionou o recém-inaugurado Centro de Aprendizado Rolex do Instituto Federal de Tecnologia da Suíça, em Lausanne, uma estrutura ondulada de concreto e vidro, com imensos "buracos" (que lembram uma fatia de queijo suíço), que permitem a entrada de luz em grandes espaços abertos.

A dupla Sejima e Nishizawa já recebeu em 2005 o prêmio de artes visuais Rolf Schock, concedido pela academia real da Suécia. Sejima atualmente ocupa a direção da Bienal de Arquitetura de Veneza deste ano, a primeira mulher a fazer isso.

A premiação formal do Pritzker ocorrerá em maio, na Ilha de Ellis, o histórico ponto de entrada da imigração do porto de Nova York. Sejima e Nishizawa vão receber US$ 100 mil em prêmio e um par de medalhas de bronze. Antes deles, outros três arquitetos japoneses já foram laureados pelo Pritzker: Kenzo Tange, Fumihiko Maki e Tadao Ando.

Tudo o que sabemos sobre:
prêmio Pritzkerjaponeses

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.